Mercado fechado
  • BOVESPA

    96.582,16
    +1.213,40 (+1,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    36.801,37
    -592,34 (-1,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    36,42
    +0,25 (+0,69%)
     
  • OURO

    1.871,20
    +3,20 (+0,17%)
     
  • BTC-USD

    13.560,17
    +129,50 (+0,96%)
     
  • CMC Crypto 200

    265,75
    +23,07 (+9,51%)
     
  • S&P500

    3.310,11
    +39,08 (+1,19%)
     
  • DOW JONES

    26.659,11
    +139,16 (+0,52%)
     
  • FTSE

    5.581,75
    -1,05 (-0,02%)
     
  • HANG SENG

    24.493,93
    -92,67 (-0,38%)
     
  • NIKKEI

    23.134,95
    -196,99 (-0,84%)
     
  • NASDAQ

    11.192,00
    -150,75 (-1,33%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7507
    +0,0051 (+0,08%)
     

Guedes diz que PEC do Pacto Federativo é prioritária e defende total desindexação das despesas

Por Marcela Ayres
·3 minutos de leitura

Por Marcela Ayres

BRASÍLIA (Reuters) - O ministro da Economia, Paulo Guedes, classificou na noite desta quarta-feira a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) do Pacto Federativo como a mais importante das reformas e afirmou ser favorável à completa desindexação das despesas.

Em seminário online promovido pelo Instituto Brasiliense de Direito Público (IDP), ele disse que a PEC dará liberdade para a classe política decidir sobre a alocação dos recursos públicos ante o modelo vigente, em que 95% das despesas são obrigatórias.

"Eu gosto da versão mais ampla possível. É desindexar, desobrigar e desvincular todos os recursos", afirmou ele.

Com a desindexação, os gastos deixariam, por exemplo, de ser corrigidos pela inflação, cabendo aos parlamentares decidir o direcionamento e eventual ampliação dos recursos, sendo que o crescimento das despesas totais permaneceria sujeito à regra do teto, que limita essa alta à inflação do ano anterior.

Guedes argumentou em sua fala que isso já aconteceu durante a crise do coronavírus.

"O que protege melhor a saúde dos brasileiros: uma indexação, a correção dos gastos de saúde por 2%, que é o IPCA, ou uma ação política decisiva, que foi a PEC de Guerra, por exemplo, e o auxílio emergencial e o programa de suplementação salarial?", questionou.

"Quando você desindexa o Orçamento você não tira a proteção de ninguém. A classe política pode dizer o seguinte: os gastos de saúde vão subir até mais que a inflação esse ano, ou nós vamos dar a inflação esse ano, ou vamos dar menos que a inflação esse ano porque o mais importante esse ano é a educação."

A PEC do Pacto Federativo foi enviada pelo governo ao Congresso no fim do ano passado, e seu relator, o senador Marcio Bittar (MDB-AC), ainda não apresentou seu parecer formal sobre o texto.

O secretário especial de Fazenda, Waldery Rodrigues, chegou a levantar a possibilidade de os benefícios previdenciários serem congelados para abrir espaço no teto de gastos para o novo programa de transferência de renda do governo Jair Bolsonaro, mas a alternativa foi rechaçada pelo presidente, numa mostra da dificuldade política de promover a desindexação. Ainda não há definição dentro do governo sobre como o programa será financiado.

Sobre a reforma administrativa, Guedes afirmou que o cálculo de economia de 300 bilhões de reais em dez anos considera uma taxa de reposição de cerca de 70% do quadro de funcionários.

No entanto, ele ressalvou que hoje o governo repõe 26 servidores de cada 100 que se aposentam.

"Os ganhos vão se ampliar, em vez de 300 bilhões pode ser 400, 450 (bilhões de reais)", afirmou.

A proposta da reforma administrativa também já foi encaminhada ao Congresso, mas não começou a ser apreciada.

Guedes avaliou que, apesar de todo o barulho e desacertos típicos de situação política de estresse, o Brasil reagiu muito bem à crise do coronavírus e está muito bem-visto lá fora.

Ele afirmou ter recebido essa leitura após reunião virtual, nesta manhã, de ministros de Finanças e presidentes de bancos centrais do G20.

Em sua fala, Guedes destacou em diversos momentos a cooperação entre Poderes para enfrentamento à crise, citando nominalmente o trabalho do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes, este último moderador do seminário.