Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.843,74
    -2.595,62 (-2,33%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.533,02
    -774,69 (-1,51%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,71
    -1,26 (-1,75%)
     
  • OURO

    1.765,80
    +14,40 (+0,82%)
     
  • BTC-USD

    43.731,12
    -3.778,61 (-7,95%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.088,13
    -46,26 (-4,08%)
     
  • S&P500

    4.357,73
    -75,26 (-1,70%)
     
  • DOW JONES

    33.970,47
    -614,41 (-1,78%)
     
  • FTSE

    6.903,91
    -59,73 (-0,86%)
     
  • HANG SENG

    24.099,14
    -821,62 (-3,30%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,75 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    14.990,00
    -336,00 (-2,19%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2545
    +0,0551 (+0,89%)
     

Guedes diz que Febraban teria sugerido tom crítico contra o governo em manifesto, entidade nega

·2 minuto de leitura
Ministro da Economia, Paulo Guedes

Por Isabel Versiani

BRASÍLIA (Reuters) - O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta segunda-feira que a informação que recebeu é que a Febraban teria sugerido uma alteração no tom de um manifesto em defesa da democracia que está sendo articulado pela Fiesp com outras organizações empresariais para que o texto se transformasse em um ataque ao governo.

"Aí a própria Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) teria dito 'então eu não vou fazer esse manifesto', e o manifesto parece que está até suspenso por causa disso, não estão chegando a um acordo", disse Guedes em Brasília a jornalistas, ressaltando não estar envolvido em discussões sobre o tema por estar focado na questão dos precatórios.

Em nota divulgada nesta tarde, a Febraban (Federação Brasileira de Bancos) negou ter participado da elaboração de texto com ataques ao governo ou oposição à atual política econômica.

"O conteúdo do manifesto pedia serenidade, harmonia e colaboração entre os Poderes da República e alertava para os efeitos do clima institucional nas expectativas dos agentes econômicos e no ritmo da atividade", disse a Febraban, acrescentando que o texto apresentado pela Fiesp foi submetido à aprovação de sua própria governança, que autorizou ter sua assinatura na nota.

"Nenhum outro texto foi proposto e a aprovação foi específica para o documento submetido pela Fiesp. Sua publicação não é decisão da federação dos bancos", disse a Febraban.

Guedes disse que a Febraban está muito ativa na defesa dos interesses dos bancos na reforma tributária, o que ele disse considerar "louvável".

"Acho que se ela defender a democracia também é muito bom, nós queremos a defesa da democracia, das reformas, tá tudo bom, tá tudo certo", disse.

"Agora se tem algum banco público não querendo assinar possivelmente é porque os termos... a informação que eu tenho é a seguinte, que haveria um manifesto em defesa da democracia, e aí não haveria problema nenhum. E que alguém na Febraban teria mudado isso para, em vez de ser uma defesa da democracia, seria um ataque ao governo", afirmou Guedes.

A Fiesp confirmou nesta segunda-feira que a divulgação do texto será adiada, alegando haver interesse de outras associações de também participar da iniciativa.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos