Mercado abrirá em 4 h 57 min
  • BOVESPA

    122.964,01
    +1.054,98 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.655,29
    -211,86 (-0,42%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,91
    +0,63 (+0,97%)
     
  • OURO

    1.834,20
    -1,90 (-0,10%)
     
  • BTC-USD

    57.185,86
    +1.373,96 (+2,46%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.548,89
    +1.306,21 (+538,25%)
     
  • S&P500

    4.152,10
    -36,33 (-0,87%)
     
  • DOW JONES

    34.269,16
    -473,66 (-1,36%)
     
  • FTSE

    6.998,74
    +50,75 (+0,73%)
     
  • HANG SENG

    28.197,83
    +184,02 (+0,66%)
     
  • NIKKEI

    28.147,51
    -461,08 (-1,61%)
     
  • NASDAQ

    13.325,75
    -20,25 (-0,15%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3379
    -0,0075 (-0,12%)
     

Guedes diz que Congresso cortou verba para o Censo 2021

Wellton Máximo – Repórter da Agência Brasil
·1 minuto de leitura

O corte da verba para o Censo 2021 foi decidido pelo Congresso Nacional, disse hoje (28) o ministro da Economia, Paulo Guedes. Segundo ele, os parlamentares tomaram a decisão para evitar que os recenseadores transmitissem o novo coronavírus.

“Não fomos nós que cortamos o Censo. Quando houve o corte no Congresso, a explicação que nos foi dada é de que o isolamento social impediria que as pessoas fossem de casa em casa transmitir o vírus. Porque é físico, os pesquisadores vão de casa em casa. Então, me pareceu que essa é uma explicação. Vou me informar a respeito”, afirmou Guedes na portaria do ministério.

Guedes fez o comentário poucas horas depois de o ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF) conceder liminar determinando a realização do Censo 2021. Para Marco Aurélio, a Constituição determina a realização do recenseamento.

“Defiro a liminar, para determinar a adoção de medidas voltadas à realização do Censo, observados os parâmetros preconizados pelo IBGE [Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística], no âmbito da própria discricionariedade técnica”, informou o ministro do Supremo na liminar, pedida pelo governo do Maranhão.

Na semana passada, o Ministério da Economia informou que o Censo, que havia sido adiado para este ano por causa da pandemia de covid-19, não será realizado por falta de verba. Inicialmente, estavam previstos R$ 2 bilhões para a realização da pesquisa, mas, durante a tramitação da lei orçamentária no Congresso Nacional, os parlamentares deixaram R$ 53 milhões, inviabilizando a realização da contagem populacional.