Mercado fechado

Guedes diz que Brasil sai da clínica de reabilitação enquanto mundo desacelera

IVAN MARTÍNEZ-VARGAS E EDUARDO CUCOLO
SÃO PAULO, SP, 10.10.2019: BOLSONARO-SP - O ministro da Economia, Paulo Guedes, na abertura do Fórum de Investimentos Brasil 2019, na capital paulista, na manhã desta quinta. (Foto: Guilherme Rodrigues/MyPhoto Press/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta quinta-feira (10) que, enquanto a economia mundial está desacelerando, o Brasil entra, provavelmente, em um longo ciclo de crescimento.

“Estamos com o crescimento subindo, a inflação descendo e retomando provavelmente agora um longo ciclo de crescimento. Num momento em que o mundo sincronizadamente desacelera, entrando em uma clínica de reabilitação após um período de excessos, o Brasil está saindo da clínica de reabilitação”, afirmou o ministro durante a abertura do Fórum de Investimentos Brasil 2019.

Segundo o ministro, trata-se de um crescimento em bases sustentáveis e não um “voo de galinha”.

Guedes afirmou também que o governo já atingiu a meta de privatizações, de US$ 20 bilhões, para este ano.

A uma plateia de investidores brasileiros e de outros países, disse que o governo federal tem o apoio do Congresso para fazer suas reformas, mas um apoio em nova bases, bases temáticas.

Ele destacou como próximos passos as votações do pacto federativo e a reforma tributária.

Segundo Guedes, depois de quatro décadas de economia fechada, impostos elevados, o presidente Jair Bolsonaro "começou a revolução em relação ao que há de melhor no mundo ocidental."

Ele diz que "o presidente determinou desde o início uma aproximação com países que dão certo no mundo" como EUA, Canadá, Japão e Coreia do Sul.

NÃO TEM PLANO B, DIZ BOLSONARO

O presidente Jair Bolsonaro fez nesta quinta um gesto para prestigiar o seu ministro da Economia, durante discurso a uma plateia de investidores do Brasil e do exterior.

“Paulo Guedes é mais do que um ministro da Economia, ele acumulou quatro ministérios”, afirmou.

Disse depois que queria elogiar a capa do jornal O Estado de S. Paulo do último domingo, que trazia uma entrevista com o próprio Bolsonaro elogiando Guedes.

“A economia é 100% com o Guedes e não tem plano B”, afirmou o presidente lendo o jornal no palco em que também estava presente do ministro da Economia e sendo aplaudido.

“As críticas que sofri no passado como estatizante, em parte com razão, nossa formação militar não leva para essa linha? Mas ao conhecer o economista Paulo Guedes, ele rapidamente me convenceu.”

Bolsonaro também fez uma brincadeira em relação ao Banco Central, após dizer que a instituição já tem “autonomia integral”.

“Eu só ligo para o presidente do Banco Central depois que ele decide o Copom [comitê que define a taxa básica de juros]. É o Roberto Campos que fala 100% pelo Banco Central. Não sei se o Paulo Guedes interfere, mas eu não interfiro em absolutamente nada”, afirmou o presidente, provocando risos na plateia.

O presidente também falou sobre a agenda de compromissos internacionais na próxima semana, ao afirmar que irá priorizar esses encontros e não irá à cerimônia de canonização da Irmã Dulce.

“Espero que a imprensa não me critique porque não estarei domingo no Barradão, de Salvador, numa grande festa dos católicos, eu sou católico, sobre a canonização da Irmã Dulce, mas temos contínuos compromissos. Primeiro a entronização do rei do Japão. Depois pela Arábia Saudita, Qatar, Emirados Árabes e a nossa China, o nosso maior parceiro comercial.”