Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.512,38
    +480,41 (+0,43%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.801,68
    +163,32 (+0,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,13
    -2,28 (-2,55%)
     
  • OURO

    1.790,40
    -7,70 (-0,43%)
     
  • BTC-USD

    23.938,03
    -154,01 (-0,64%)
     
  • CMC Crypto 200

    569,15
    -2,76 (-0,48%)
     
  • S&P500

    4.305,20
    +8,06 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.152,01
    +239,57 (+0,71%)
     
  • FTSE

    7.536,06
    +26,91 (+0,36%)
     
  • HANG SENG

    19.830,52
    -210,34 (-1,05%)
     
  • NIKKEI

    28.868,91
    -2,87 (-0,01%)
     
  • NASDAQ

    13.663,50
    -17,75 (-0,13%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2333
    +0,0548 (+1,06%)
     

Guedes diz que Brasil iniciou ciclo de crescimento, enquanto mundo desacelera

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O ministro Paulo Guedes (Economia) afirmou nesta quinta-feira (28) que o Brasil está no início de um ciclo de crescimento econômico, enquanto a economia mundial entrou em uma desaceleração sincronizada.

A avaliação do ministro destoa das projeções do mercado e de instituições multilaterais. O FMI (Fundo Monetário Internacional) projeta desaceleração da economia mundial de 3,2% de crescimento neste ano para 2,9% no próximo. Para o Brasil, o crescimento passaria de 1,7% para 1,1% --pior que o desempenho global.

Em entrevista ao programa Daybreak Australia, da TV Bloomberg, Guedes disse que a retração da economia dos EUA, que registrou dois trimestres seguidos de queda, é um problema que, infelizmente, vai continuar por um longo tempo, pois os bancos centrais das economias centrais estão muito atrás da curva de juros no combate à inflação.

O ministro, no entanto, vê o país como um dos mais preparados para enfrentar o momento, afirmando que a moeda brasileira foi uma das que menos perderam valor em relação ao dólar neste ano. "Nós estamos resistindo", disse.

Questionado sobre a situação das contas públicas, Guedes disse que o Brasil é uma das poucas economias que estão em equilíbrio fiscal, pois registra superávit primário atualmente.

Em relação aos preços elevados das commodities, fator que tem ajudado no crescimento da economia e a engordar o superávit primário, o ministro afirmou que a inflação irá perdurar por mais tempo do que se imagina e que os preços das commodities não vão cair, apenas vão para de subir por um tempo, ressaltando que o Brasil tem uma economia muito diversificada.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos