Mercado fechará em 6 h 28 min
  • BOVESPA

    120.991,01
    -122,92 (-0,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,12
    -0,01 (-0,02%)
     
  • OURO

    1.767,70
    -12,50 (-0,70%)
     
  • BTC-USD

    56.389,93
    +2.179,29 (+4,02%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.274,57
    -24,39 (-1,88%)
     
  • S&P500

    4.178,50
    -6,97 (-0,17%)
     
  • DOW JONES

    34.084,35
    -116,32 (-0,34%)
     
  • FTSE

    7.007,84
    -11,69 (-0,17%)
     
  • HANG SENG

    29.106,15
    +136,44 (+0,47%)
     
  • NIKKEI

    29.685,37
    +2,00 (+0,01%)
     
  • NASDAQ

    13.956,00
    -73,50 (-0,52%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7494
    +0,0633 (+0,95%)
     

Guedes diz que antecipação de 13º a aposentados sairá tão logo Orçamento seja aprovado

·1 minuto de leitura
Ministro da Economia, Paulo Guedes

BRASÍLIA (Reuters) - O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta quinta-feira que assim que o Orçamento de 2021 for aprovado pelo Congresso, o governo vai disparar o pagamento antecipado de parcela do 13º a aposentados e pensionistas como forma de alívio em meio às dificuldades geradas pelo recrudescimento da pandemia da Covid-19.

Ele frisou que a vantagem da medida é que ela não terá impacto fiscal, uma vez que não se trata de despesas adicionais às já previstas para o ano.

Sobre a renovação do programa BEM, que oferece complementação de renda a trabalhadores que sofram suspensão de contrato ou redução de jornada e salário, o ministro disse que não avançou sua ideia original de reeditar a medida de forma a viabilizar que com os mesmos valores pagos atualmente no seguro-desemprego o governo oferecesse uma cobertura por mais tempo aos trabalhadores.

"Estávamos tentando isso aí e houve muito obstáculo político, 'ah não, não pode mexer nisso e tal'", disse Guedes durante audiência na comissão do Congresso que acompanha a pandemia da Covid-19.

"Simplesmente, do meu ponto de vista, é um equívoco técnico, mas tudo bem, quem manda é a política, então eu tenho que aceitar e reformular o programa. E aí naturalmente vai ter mais impacto fiscal, um pouco mais de dúvida, um pouco mais de dificuldade na retomada do crescimento, um pouco mais de despesa, em vez de realocar despesas que já existem", acrescentou o ministro.

(Por Isabel Versiani)