Mercado fechará em 3 h 11 min
  • BOVESPA

    107.417,62
    -1.033,59 (-0,95%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.514,85
    +72,64 (+0,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,64
    +0,49 (+0,60%)
     
  • OURO

    1.669,10
    -0,90 (-0,05%)
     
  • BTC-USD

    19.501,00
    -33,08 (-0,17%)
     
  • CMC Crypto 200

    446,29
    +0,31 (+0,07%)
     
  • S&P500

    3.642,75
    -76,29 (-2,05%)
     
  • DOW JONES

    29.233,89
    -449,85 (-1,52%)
     
  • FTSE

    6.881,59
    -123,80 (-1,77%)
     
  • HANG SENG

    17.165,87
    -85,01 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    26.422,05
    +248,07 (+0,95%)
     
  • NASDAQ

    11.213,25
    -342,50 (-2,96%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2761
    +0,0435 (+0,83%)
     

Guedes diz esperar redução de juros no Brasil em 2023 com recuo da inflação

Ministro da Economia, Paulo Guedes

Por Bernardo Caram

BRASÍLIA (Reuters) - O processo de alta de juros no Brasil deve estar se completando, disse nesta segunda-feira o ministro da Economia, Paulo Guedes, argumentando que as taxas possivelmente descerão no ano que vem diante do recuo nos índices de inflação.

"Como o nosso Banco Central já subiu juros desde o ano passado, este ano deve estar se completando o processo de alta de juros. Daqui para frente, à medida em que a economia vai avançando e a inflação vai cedendo, mesmo que em algum grau de resistência, o que vamos observar para o ano que vem possivelmente são os juros descendo", disse.

Em congresso da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), Guedes disse que a situação fiscal do país está forte e a política monetária está firme e à frente de outros países.

Ele voltou a afirmar que a gestão do presidente Jair Bolsonaro trabalha com uma combinação na economia que inclui juros de equilíbrio mais baixos e câmbio de equilíbrio mais alto.

A avaliação do ministro, já visualizando baixa nos juros à frente, ainda não encontra respaldo nas declarações públicas da direção do Banco Central. No início do mês, o presidente do BC, Roberto Campos Neto, disse que a autoridade monetária não pensa em queda de juros neste momento, ressaltando que a situação inspira cuidados e a batalha contra a alta de preços não está ganha.

O Comitê de Política Monetária (Copom) decidirá nesta quarta-feira o novo patamar da taxa Selic, atualmente em 13,75% ao ano. Indicando estar próximo ao fim do agressivo ciclo de aperto monetário para conter a inflação, o BC disse em agosto que avaliaria um ajuste residual na reunião que ocorre esta semana.

A maioria dos analistas de mercado, segundo pesquisa Reuters, espera que a taxa seja mantida em 13,75%, sem ajuste final neste mês.