Mercado fechado

Guedes descarta risco de dominância fiscal no país

Martha Beck
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- O fato de as três maiores despesas do Brasil estarem sob controle elimina o risco de o país entrar num cenário de dominância fiscal, disse o ministro da Economia, Paulo Guedes, em entrevista nesta quinta-feira.

A preocupação dos investidores com o excesso de gastos e o alto endividamento público tem levantado discussões sobre a possibilidade de o país estar caminhando para um quadro em que o Banco Central perderia potência para controlar a inflação.

O país, no entanto, conseguiu desacelerar a “dinâmica explosiva” de gastos com aposentadorias, salários do funcionalismo e juros da dívida pública, afirmou Guedes.

“Nosso foco na reforma da Previdência, na derrubada da relação dívida/PIB e em impedir aumentos do funcionalismo foi exatamente para impedir dominância fiscal”, disse o ministro.

O governo do presidente Jair Bolsonaro gastou bilhões em medidas para combater a pandemia, enquanto o Banco Central cortou sua taxa de juros para uma baixa recorde. Embora essas políticas tenham estabilizado a demanda em meio à crise, o déficit fiscal e os níveis de dívida do país aumentaram.

As privatizações e a desalavancagem dos bancos públicos vão ajudar a reduzir a dívida pública, disse Guedes. Em um evento da Bloomberg na semana passada, ele afirmou que o Brasil não aumentaria tanto os gastos públicos se uma segunda onda da Covid-19 acontecer, e acrescentou que o governo vai priorizar a venda de quatro estatais no próximo ano.

Segundo a pesquisa Focus do Banco Central, analistas esperam que a economia contraia cerca de 4,7% este ano, em comparação com as previsões de uma queda de 6,5% no início de julho. Ao mesmo tempo, estima-se que a dívida pública se aproxime de 100% do PIB.

Os riscos fiscais pesam sobre a curva de juros e o câmbio, tanto que o real tem o pior desempenho entre as 16 principais moedas neste ano.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.