Mercado fechará em 37 mins
  • BOVESPA

    130.085,71
    -122,25 (-0,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.866,09
    -163,45 (-0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,22
    +1,34 (+1,89%)
     
  • OURO

    1.859,00
    -6,90 (-0,37%)
     
  • BTC-USD

    40.545,14
    +1.018,44 (+2,58%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.007,34
    -3,27 (-0,32%)
     
  • S&P500

    4.248,92
    -6,23 (-0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.318,10
    -75,65 (-0,22%)
     
  • FTSE

    7.172,48
    +25,80 (+0,36%)
     
  • HANG SENG

    28.638,53
    -203,60 (-0,71%)
     
  • NIKKEI

    29.441,30
    +279,50 (+0,96%)
     
  • NASDAQ

    14.030,50
    -94,25 (-0,67%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1114
    -0,0201 (-0,33%)
     

Guedes defende alívio a devedores do Fies em comissão na Câmara

·1 minuto de leitura
Ministro Paulo Guedes

Por Isabel Versiani

BRASÍLIA (Reuters) - O ministro da Economia, Paulo Guedes, defendeu nesta terça-feira que o governo promova um programa de alívio aos devedores do Fies (Programa de Financiamento Estudantil), nos moldes do que faz para as empresas com a transação tributária.

Em audiência pública na comissão de Educação da Câmara dos Deputados, Guedes criticou o fato de, na crise financeira de 2008, o governo dos Estados Unidos ter tido boa vontade ao lidar com o endividamento de bancos e investidores imobiliários, mas não ter tratado com a mesma consideração jovens desempregados que tinham dívida estudantil a pagar.

"E eu estou dizendo hoje aqui que nós devíamos pensar isso a respeito do Fies, nós temos que pensar nisso", disse Guedes.

"E porque que a gente vai fazer, e nós vamos fazer, um programa de transação tributária que permite empresas... terem um alívio tributário, nós temos que lembrar dos jovens também, estudantes", acrescentou, sem elaborar.

Respondendo a questionamentos dos parlamentares, Guedes também disse que, em seu entendimento, o Fies deveria ser restrito a famílias de classe média, que teriam condições de pagar o financiamento mesmo que o jovem beneficiado fique sem emprego. Para os estudantes de baixa renda, ele defendeu que o governo forneça "vouchers" (bolsas).

"O jovem negro vem da periferia e quer estudar, ele precisa de um voucher, ele não pode ter a responsabilidade de devolver esse dinheiro, ele não sabe se vai conseguir emprego", afirmou.