Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.801,21
    -1.775,35 (-1,44%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.195,43
    -438,48 (-0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,27
    +0,12 (+0,18%)
     
  • OURO

    1.812,90
    -1,60 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    39.799,30
    +1.357,82 (+3,53%)
     
  • CMC Crypto 200

    981,48
    +54,71 (+5,90%)
     
  • S&P500

    4.402,66
    -20,49 (-0,46%)
     
  • DOW JONES

    34.792,67
    -323,73 (-0,92%)
     
  • FTSE

    7.123,86
    +18,14 (+0,26%)
     
  • HANG SENG

    26.426,55
    +231,73 (+0,88%)
     
  • NIKKEI

    27.715,40
    +131,32 (+0,48%)
     
  • NASDAQ

    15.098,50
    +25,00 (+0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1178
    -0,0005 (-0,01%)
     

Guedes critica "negacionistas" que não reconhecem melhora da economia

·1 minuto de leitura
Brazil's Economy Minister Paulo Guedes speaks during the launching ceremony of the program
Guedes participou de live com a Fiesp nesta quarta-feira (Adriano Machado/Reuters)
  • Paulo Guedes diz que "negacionistas" não reconhecem recuperação econômica

  • Para ministro, imprensa cria fake news sobre ele por "paixão política

  • Segundo Guedes, "instituições brasileiras estão de parabéns"

O ministro da Economia, Paulo Guedes, criticou “negacionistas” da economia, aqueles que, segundo ele, não reconhecem a situação econômica passa por uma melhora. De acordo com Guedes, “as instituições brasileiras estão de parabéns”, com o Brasil passando pela “maior queda da miséria em 40 anos com auxílio”. Entretanto, não é isso que dizem os dados. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

Leia também:

Em crítica à imprensa, Guedes também disse que, além de não reconhecer a melhora econômica, os meios de comunicação criam fake news sobre ele por “paixão política”. A fala aconteceu durante uma live com a Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo.

O que dizem os dados

Em contrapartida ao que disse o ministro, segundo dados da FGV (Fundação Getúlio Vargas), a desigualdade de renda bateu recorde nos primeiros três meses do ano e, pela primeira vez durante dez anos, a renda média caiu para menos de R$ 1 mil.

O crescimento de 1,2% do PIB (Produto Interno Bruto) no primeiro trimestre de 2021 em relação aos últimos três meses do ano passado foi muito comemorado pelo governo federal. Assim, foi recuperado o nível pré-pandemia, de 2019.

No entanto, o Brasil atingiu o maior número de famílias em situação de extrema pobreza da série histórica (calculada desde 2012): 14,5 milhões. O desemprego também aumentou de 13,9% em dezembro para 14,7%, segundo o IBGE.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos