Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.800,79
    -3.874,54 (-3,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.868,32
    -766,28 (-1,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,81
    +0,19 (+0,26%)
     
  • OURO

    1.816,90
    -18,90 (-1,03%)
     
  • BTC-USD

    41.747,49
    +21,76 (+0,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    955,03
    +5,13 (+0,54%)
     
  • S&P500

    4.395,26
    -23,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.935,47
    -149,06 (-0,42%)
     
  • FTSE

    7.032,30
    -46,12 (-0,65%)
     
  • HANG SENG

    25.961,03
    -354,29 (-1,35%)
     
  • NIKKEI

    27.283,59
    -498,83 (-1,80%)
     
  • NASDAQ

    14.966,50
    -71,25 (-0,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1880
    +0,1475 (+2,44%)
     

Guedes cria grupo de trabalho para rediscutir reforma tributária, diz Abimaq

·2 minuto de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Diante da resistência de empresários à reestruturação do IR (Imposto de Renda), o Ministério da Economia decidiu criar um grupo de trabalho com representantes do setor produtivo e do Congresso para rediscutir as propostas de reforma tributária.

A informação é do presidente da Abimaq (Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos), José Velloso, que participou de reunião com o ministro Paulo Guedes (Economia) nesta sexta-feira (9).

Segundo ele, o próprio ministro solicitou o encontro com os representantes da Coalizão da Indústria e propôs a criação do comitê.

Velloso afirma que já havia a ideia de formar o grupo para debater a primeira fase da reforma do governo, que já está no Congresso e cria a CBS (Contribuição sobre Bens e Serviços). Agora, o projeto da reforma do Imposto de Renda também entrará em discussão.

O colegiado será coordenado pelo assessor especial de Guedes para a reforma tributária Isaías Coelho e terá a participação de membros da Receita Federal e do Congresso. Pela Coalizão da Indústria, estarão Velloso, José Ricardo Roriz (Abiplast) e Marco polo Lopes (Aço Brasil).

"O conceito da reforma está correto, diminuir o imposto das empresas e tributar dividendos. É o que o mundo faz. O problema é que a Receita colocou coisas que não eram necessárias", disse o presidente da Abimaq à reportagem.

De acordo com Velloso, a ideia é chegar a um acordo com o governo para viabilizar um corte mais intenso do IR das empresas. O texto enviado ao Congresso promove uma redução de 5 pontos percentuais na alíquota, sendo 2,5 pontos no primeiro ano e 2,5 no segundo.

"A soma das medidas tem que ser equilibrada com a carga total de hoje. Do jeito que estava, aumentaria a carga", afirmou.

A Coalizão da Indústria defende a revisão de regras que alteram a tributação sobre companhias com atuação no exterior e sobre circulação de recursos entre empresas do mesmo grupo.

Para Velloso, também é importante ampliar a faixa de isenção do IR da pessoa física. No texto do governo, a isenção passou de R$ 1,9 mil para R$ 2,5 mil.

Segundo ele, Guedes pediu pressa para que o grupo apresente uma proposta no máximo até o retorno do recesso legislativo, em agosto. Para ele, no entanto, o trabalho deveria durar de 30 a 60 dias.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos