Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.933,78
    -180,15 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.072,62
    -654,36 (-1,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,55
    +0,17 (+0,27%)
     
  • OURO

    1.769,40
    -1,20 (-0,07%)
     
  • BTC-USD

    54.729,88
    -1.843,07 (-3,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.225,29
    -73,67 (-5,67%)
     
  • S&P500

    4.163,26
    -22,21 (-0,53%)
     
  • DOW JONES

    34.077,63
    -123,04 (-0,36%)
     
  • FTSE

    7.000,08
    -19,45 (-0,28%)
     
  • HANG SENG

    28.982,64
    -123,51 (-0,42%)
     
  • NIKKEI

    29.173,40
    -511,97 (-1,72%)
     
  • NASDAQ

    13.920,75
    +23,50 (+0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6794
    +0,0037 (+0,06%)
     

Guedes condiciona melhora do câmbio, em 2 anos, à recuperação econômica e investimentos privados

·3 minuto de leitura
Ministro da Economia, Paulo Guedes

BRASÍLIA (Reuters) - O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou em entrevista veiculada nesta sexta-feira que a taxa de câmbio deve voltar a um patamar "melhor" dentro de um intervalo de dois anos, mediante a vacinação em massa no Brasil, estímulo aos investimentos privados e recuperação da economia.

"O que esperamos, dentro dos próximos dois anos, é vacinar maciçamente no Brasil, a recuperação da economia, não se basear em gastos públicos que não se podem manter, mas sim estimular um crescimento com investimentos privados. E a taxa de câmbio então deveria, depois de realizado isso, deveria voltar a uma taxa de câmbio melhor", disse Guedes em entrevista gravada na quinta-feira aos jornais espanhóis El Mundo e Expansión.

Atualmente, o real registra o terceiro pior desempenho no ano entre as principais moedas, acumulando queda de 5% em relação ao dólar. Em 2020, a moeda desvalorizou-se mais de 20%, afetada pelo baixo diferencial de juros, risco fiscal e pífio crescimento econômico. No ano passado, o dólar bateu máximas recordes, próximo a 6 reais.

Comentando a recente decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, que aumentou a taxa Selic em 75 pontos-base, a 2,75%, na última quarta-feira, Guedes afirmou que os juros de curto prazo estão subindo no momento para garantir que os juros de longo prazo permaneçam baixos e para que o país possa manter o controle da inflação e a consolidação fiscal.

Em suas falas, o ministro pontuou que a aprovação do projeto de autonomia formal do Banco Central, sancionado em fevereiro pelo presidente Jair Bolsonaro, constituiu medida importante para evitar que o aumento setorial e temporário de preços se transformasse em aumento generalizado.

De acordo com ele, em razão da concessão do auxílio emergencial aos mais vulneráveis, aumentando o poder aquisitivo dos beneficiários, houve registro de elevação nos preços de alimentos e materiais de construção civil. "A independência do Banco Central foi importante para mostrar nosso compromisso com a estabilidade de preços."

A inflação oficial do Brasil em 12 meses até fevereiro chegou a 5,20%, de 4,56% no mês anterior, aproximando-se do teto da meta do governo para este ano, que é de 3,75% com margem de 1,5 ponto percentual para mais ou menos.

Em outro ponto, ao comentar a trajetória das contas públicas do país, Guedes disse que o atual governo do presidente Jair Bolsonaro foi o primeiro a não conceder reajuste de salário aos servidores públicos "porque os salários estavam muito acima dos do setor privado".

POPULAÇÃO VACINADA

O ministro da Economia pontuou que a reação a ser adotada à nova onda de casos e mortes pela pandemia da Covid-19 registrada no país é a vacinação em massa. Guedes, entretanto, afirmou que o percentual de indivíduos já imunizados no país contra a Covid-19 ainda é "muito pouco".

"5% da população já foi vacinada, é muito pouco. Temos que melhorar muito, trabalhar muito, estamos renovando e ampliando acordos que temos de vacinas", detalhou Guedes, que condicionou a imunização em larga escala ao retorno seguro ao trabalho.

(Por Gabriel Ponte)