Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.933,78
    -180,15 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.072,62
    -654,36 (-1,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,48
    +0,35 (+0,55%)
     
  • OURO

    1.771,20
    -9,00 (-0,51%)
     
  • BTC-USD

    55.814,13
    -155,66 (-0,28%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.263,97
    -34,98 (-2,69%)
     
  • S&P500

    4.163,26
    -22,21 (-0,53%)
     
  • DOW JONES

    34.077,63
    -123,04 (-0,36%)
     
  • FTSE

    7.000,08
    -19,45 (-0,28%)
     
  • HANG SENG

    29.106,15
    +136,44 (+0,47%)
     
  • NIKKEI

    29.685,37
    +2,00 (+0,01%)
     
  • NASDAQ

    13.894,00
    -135,50 (-0,97%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6751
    -0,0110 (-0,16%)
     

Guedes cita "coeficiente de 70%" de aprovação de reformas no Congresso e diz querer ser vacinado

Gabriel Ponte
·1 minuto de leitura
O ministro da Economia, Paulo Guedes. 08/03/2021. REUTERS/Ueslei Marcelino.

Por Gabriel Ponte

BRASÍLIA (Reuters) - O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta terça-feira que o governo calcula ter obtido um "coeficiente de 70%" na aprovação de medidas econômicas enviadas ao Congresso Nacional e mencionou que a reforma administrativa está pronta para ser aprovada pelos parlamentares, classificando-a como "leve, suave".

Em entrevista gravada à CNN, Guedes mencionou a economia fiscal que a reforma vai gerar em âmbito federal, de 300 bilhões de reais, além da economia em torno de 140 bilhões de reais a 150 bilhões de reais em salários nos três níveis da Federação.

Questionado sobre a reforma tributária, o ministro pontuou que ela é "um pouco mais complexa". Guedes afirmou que o governo não queria "cair na armadilha que estava preparada" de elevação de tributos em meio a uma recessão econômica. "Você não deve aumentar impostos no meio de uma recessão. Se não, você agudiza a recessão", reiterou.

VACINAÇÃO EM MASSA

Mais uma vez, o titular da pasta econômica reforçou a necessidade de se garantir imunização em larga escala à população, afirmando que economia e saúde são "indissociáveis". "A vacinação em massa é um passo indispensável, porque ela permite que haja uma redução dramática do desemprego informal", completou.

Em seus comentários, Guedes, de 71 anos, disse que gostaria de já ter sido vacinado. "Eu acho ótimo. Sou candidato a tomar a vacina, quero me vacinar." Residente de Brasília, Distrito Federal, o ministro, por ora, ainda não foi contemplado no processo de imunização da população pelo governo local.

O Distrito Federal está vacinando, no momento, pessoas de 74 anos ou mais, além de integrantes de outros grupos prioritários.