Mercado fechado
  • BOVESPA

    118.328,99
    -1.317,01 (-1,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.810,21
    -315,49 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,02
    -0,11 (-0,21%)
     
  • OURO

    1.867,70
    +1,80 (+0,10%)
     
  • BTC-USD

    29.580,28
    +150,33 (+0,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    580,83
    -99,07 (-14,57%)
     
  • S&P500

    3.853,07
    +1,22 (+0,03%)
     
  • DOW JONES

    31.176,01
    -12,39 (-0,04%)
     
  • FTSE

    6.715,42
    -24,97 (-0,37%)
     
  • HANG SENG

    29.927,76
    -34,74 (-0,12%)
     
  • NIKKEI

    28.652,69
    -104,17 (-0,36%)
     
  • NASDAQ

    13.390,75
    -4,75 (-0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5126
    +0,0042 (+0,06%)
     

Guedes avalia promoção do secretário Esteves Colnago

IVAN MARTÍNEZ-VARGAS
*ARQUIVO* BRASÍLIA, DF, 29.08.2019: O ministro da Economia, Paulo Guedes, em cerimonia no Palácio do Planalto, em Brasília. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
*ARQUIVO* BRASÍLIA, DF, 29.08.2019: O ministro da Economia, Paulo Guedes, em cerimonia no Palácio do Planalto, em Brasília. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O ministro Paulo Guedes deverá promover o atual secretário-adjunto da Secretaria Especial de Fazenda, Esteves Colnago, para ocupar um posto-chave em seu gabinete, segundo pessoas ligadas ao governo Bolsonaro.

Colnago conquistou a confiança de Guedes nos últimos meses e já o assessora em temas de maior peso ligados às reformas que estão em curso, como o pacote de PECs (propostas de emendas constitucionais) que prevê a reestruturação do Estado.

A Folha de S.Paulo apurou que mais mudanças na equipe econômica não estão descartadas, mas ainda não há definições sobre o assunto.

Nas próximas semanas, Guedes deverá definir nomes do governo para ocupar a presidência do Banco do Brics, além de postos reservados ao Brasil no Banco Mundial, no FMI (Fundo Monetário Internacional) e no BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento).

A tendência é de que o secretário do Tesouro, Mansueto Almeida, permaneça no cargo, o que contrariaria rumores sobre sua eventual saída do governo.

Por enquanto, a mudança mais certa é a promoção de Colnago, que foi ministro do Planejamento no final do governo Temer, em 2018.

Funcionário de carreira do Banco Central, onde ingressou em 1998 como analista, Colnago é mestre em economia pela UnB (Universidade de Brasília), e foi secretário-executivo adjunto do Ministério do Planejamento antes de ser nomeado ministro por Michel Temer.

À época, ele substituiu Dyogo Oliveira, que assumira a presidência do BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social) no lugar de Paulo Rabello de Castro.