Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.880,82
    +1.174,91 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.219,26
    +389,95 (+0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,51
    +1,69 (+2,65%)
     
  • OURO

    1.844,00
    +20,00 (+1,10%)
     
  • BTC-USD

    50.266,49
    +46,57 (+0,09%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,33
    +39,77 (+2,93%)
     
  • S&P500

    4.173,85
    +61,35 (+1,49%)
     
  • DOW JONES

    34.382,13
    +360,68 (+1,06%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.398,00
    +297,75 (+2,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4040
    -0,0085 (-0,13%)
     

Guedes ameaça: ‘Brasil pode ter hiperinflação muito rápido’ se dívida não melhorar

Marcus Couto
·1 minuto de leitura
O ministro Paulo Guedes, da Economia. (Foto: AP Photo/Eraldo Peres)
O ministro Paulo Guedes, da Economia. (Foto: AP Photo/Eraldo Peres)

Em sincronia com os avisos ameaçadores do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, de que o Brasil pode “explodir” em janeiro com dólar a R$ 7 caso algumas pautas não forem votadas no Congresso, o ministro da economia brasileiro, Paulo Guedes, também fez suas próprias previsões catastróficas para o futuro econômico do país nesta semana.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News

Segundo Guedes, o Brasil pode cair em cenário de “hiperinflação muito rápido” caso a situação da dívida não se resolver “satisfatoriamente”. O termo “hiperinflação” é usado por economistas para descrever um cenário de aumento descontrolado da inflação, levando a uma subida drástica de preços.

Leia também:

A fala ocorreu durante evento organizado pela Corregedoria-Geral da União, nesta terça-feira (10), sobre o tema da desestatização. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

Durante o evento, Guedes se queixou das dificuldades enfrentadas por ele e por sua equipe econômica para privatizar empresas e assim diminuir o endividamento público. Segundo o ministro, entraves políticos foram os responsáveis pela morosidade no processo de desestatização.

"Estou bastante frustrado com o fato de estarmos aqui há dois anos e não termos conseguido ainda vender nenhuma estatal”, disse Guedes, em fala reproduzida pelo Estadão. “Por isso, um secretário nosso foi embora.” Ele se refere a Salim Mattar, que deixou o ministério em agosto. “Entrou outro [Diogo Mac Cord] que só tem que fazer um gol pra ganhar; o outro fez zero.”

Assine agora a newsletter Yahoo em 3 Minutos

Siga o Yahoo Finanças no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube