Mercado fechado

Guedes acusa Maia de acordo com a esquerda contra privatizações e líder da Câmara rebate: 'Ele está desequilibrado'

João de Mari
·1 minuto de leitura
Brazil's Lower House Speaker Rodrigo Maia speaks during a key vote by the lower chamber on whether to suspend President Michel Temer and put him on trial over an alleged bribery scheme to line his pockets, in Brasilia, Brazil, Wednesday, Aug. 2, 2017. Temer appeared to have the upper-hand and is confident he can survive bribery charge vote. (AP Photo/Eraldo Peres)
Logo após a acusação, o presidente da Câmara rebateu o ministro. “Paulo Guedes está desequilibrado" (Foto: AP Photo/Eraldo Peres)

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou, nesta quarta-feira (30), que há boatos de que o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), fez um acordo com a esquerda para travar projetos de privatizações.

“Privatizações, estamos esperando também. Não há razão para interditar as privatizações. Há boatos de que haveria um acordo do presidente da Câmara com a esquerda para não pautar as privatizações. Nós precisamos retomar as privatizações, temos que seguir com as reformas”, disse Guedes em transmissão ao vivo pela internet.

Logo após a acusação, o presidente da Câmara rebateu o ministro. “Paulo Guedes está desequilibrado. Recomendo ao ministro assistir o filme 'A Queda' ", afirmou, referindo-se ao filme que retrata as últimas horas de Adolf Hitler à frente da Alemanha nazista e sua derrota na Segunda Guerra Mundial.

Leia também:

O presidente da Câmara já tinha criticado Guedes esta semana. Na terça-feira (29), Maia avaliou que o ministro interditou o debate sobre a reforma tributária. “Por que Paulo Guedes interditou o debate da reforma tributária?”, escreveu Maia em sua conta do Twitter.

A declaração foi dada um dia após o governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) desistir de enviar a segunda fase da reforma tributária, que teria um imposto sobre transações digitais, que ficou conhecido como nova CPMF, por não haver acordo entre governo e líderes partidários.