Mercado fechado
  • BOVESPA

    116.464,06
    -916,43 (-0,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.053,56
    -72,95 (-0,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,75
    +0,14 (+0,27%)
     
  • OURO

    1.847,10
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    32.246,96
    -317,84 (-0,98%)
     
  • CMC Crypto 200

    650,15
    +2,83 (+0,44%)
     
  • S&P500

    3.849,62
    -5,74 (-0,15%)
     
  • DOW JONES

    30.937,04
    -22,96 (-0,07%)
     
  • FTSE

    6.654,01
    +15,16 (+0,23%)
     
  • HANG SENG

    29.556,58
    +165,32 (+0,56%)
     
  • NIKKEI

    28.691,48
    +145,30 (+0,51%)
     
  • NASDAQ

    13.555,50
    +70,00 (+0,52%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5147
    +0,0039 (+0,06%)
     

Gucci entra na plataforma de luxo do Alibaba para atrair consumidores chineses

·1 minuto de leitura

MILÃO (Reuters) - A grife Gucci abrirá duas lojas na plataforma de compras de luxo online do Alibaba, ressaltando a importância do mercado chinês para marcas sofisticadas que buscam reverter a queda de receita devido à pandemia de coronavírus.

Gucci, do grupo francês Kering, é um dos nomes mais premiados a se juntar à plataforma Tmall Luxury Pavilion, que foi criada em 2017 e agora possui mais de 200 marcas que variam de roupas a carros de luxo.

A primeira flagship da Gucci, que vende coleções de moda e artigos de couro, será aberta em 21 de dezembro, disseram as duas empresas em um comunicado conjunto na sexta-feira. Uma segunda loja focada em produtos de beleza será lançada em fevereiro de 2021 e será operada pelo parceiro licenciado da Gucci, Coty.

A China - onde os consumidores compram muito mais por aplicativos de celular do que nos Estados Unidos ou na Europa - tem sido um raro ponto interessante para marcas de bens de luxo este ano, com as vendas crescendo lá desde a flexibilização das medidas de isolamento.

Os clientes chineses já representavam cerca de 35% das compras de bens de luxo antes da pandemia e agora devem responder por quase metade das vendas globais de roupas, bolsas e joias de alto padrão até 2025, de acordo com a consultoria Bain.

Alibaba disse que o Tmall Luxury Pavilion tem uma base de consumidores de 750 milhões de pessoas.

(Reportagem de Claudia Cristoferi)