Mercado fechado
  • BOVESPA

    107.005,22
    +758,07 (+0,71%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.289,91
    +895,88 (+1,78%)
     
  • PETROLEO CRU

    111,03
    -1,18 (-1,05%)
     
  • OURO

    1.837,50
    -3,70 (-0,20%)
     
  • BTC-USD

    30.382,41
    +1.443,39 (+4,99%)
     
  • CMC Crypto 200

    676,43
    +24,20 (+3,71%)
     
  • S&P500

    3.900,79
    -22,89 (-0,58%)
     
  • DOW JONES

    31.253,13
    -236,94 (-0,75%)
     
  • FTSE

    7.302,74
    -135,35 (-1,82%)
     
  • HANG SENG

    20.470,95
    +350,27 (+1,74%)
     
  • NIKKEI

    26.495,56
    +92,72 (+0,35%)
     
  • NASDAQ

    11.992,25
    +114,00 (+0,96%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1728
    -0,0460 (-0,88%)
     

Guatemala terá seu metaverso: casas com quintais de queijo e discos voadores

Um bairro de casas com pátios de queijo ou terra lunar onde o avatar do dono pode interagir, além de discos voadores e pirâmides maias, todos com certificados de propriedade no mundo virtual. Assim será o "Platzeeland", um dos primeiros metaversos da América Latina, criado por guatemaltecos.

Cada "casinha" de voxels - ou pixels em terceira dimensão - nasce como uma alternativa aos metaversos já criados nos Estados Unidos e na Europa, contou à AFP Mario Ríos, diretor de projeto deste novo mundo virtual que será lançado em setembro.

"Temos a ideia (...) de que na América Latina não podemos fazer algo grande ou não podemos fazer algo bem. Então, foi aí que nos propusemos o primeiro desafio de criar um metaverso feito por guatemaltecos para a América Latina, mas que ressoe no mundo", diz Ríos, analista de dados de 26 anos.

O metaverso, considerado o futuro da Internet pela Meta (dona do Facebook) e outras empresas, consiste em uma série de "universos" paralelos que podem ser acessados principalmente por meio de plataformas de realidade virtual e aumentada.

O metaverso guatemalteco deu seu primeiro passo no final de abril, com a venda de 5.000 "Platzees": propriedades exóticas "colecionáveis" cercadas também por animais, carros de Fórmula 1, seres mitológicos e outras "raridades", que custam a partir de 500 dólares.

Uma pirâmide do sítio arqueológico de Tikal, a ceiba (árvore) e a marimba (instrumento musical), entre outros símbolos nacionais da Guatemala, dão ao universo virtual um toque "chapín", como coloquialmente são chamados os guatemaltecos.

Todos possuem o certificado NFT (tokens não fungíveis), arquivos digitais que permitem associar autenticidade a objetos virtuais, que tendem a subir de preço no mercado.

- "Terreno digital" -

Segundo Ríos, as propriedades digitais também representam um investimento ao dar um "retorno" de 8% da compra no primeiro ano e de 5% a 11% nos anos seguintes. "Somos o segundo (metaverso) ou o terceiro no mundo que dá algo em troca".

Além das casas, os usuários "premium" do metaverso terão acesso à uma coleção de pinturas digitais NFT do artista plástico local Nathan Ardón.

"Se a tendência (do metaverso) está chegando e vemos que é algo imparável como uma onda que já está a caminho, a questão é por que não fazê-lo internamente na América Latina, na Guatemala. Porque sim, pode ser feito", acrescenta Rodrigo Blanco (36), fundador da Portafolio Diversificado, a empresa por trás da "Platzeeland".

A empresa se baseia principalmente em investimentos imobiliários convencionais nos Estados Unidos e uma de suas casas foi tomada como modelo para os milhares de "lugares" do metaverso, no qual também será vendida o "terreno" (o solo virtual).

“Queremos oferecer (aos usuários) terreno digital acessível para que eles possam comprá-lo e nossa equipe de arquitetos possa ajudá-los a projetar um negócio” no metaverso, acrescenta Blanco, também gerente da empresa.

- Eficaz e divertido -

Distritos de moda, lojas e até centros médicos são alguns dos espaços que os criadores dessa cidade virtual pretendem construir, mas mantendo o design baseado na fantasia.

"O 'fantabuloso' do metaverso não é replicar a realidade. É criar um mundo imersivo distinto onde as leis da física, química e gravidade não se aplicam", aponta Blanco.

Ríos acrescenta que o metaverso não surge para “substituir” compras ou outras transações que já são feitas na Internet, mas para torná-las “mais eficientes, mais divertidas e, principalmente, criar uma experiência”.

hma/mav/ll/ltl/ap

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos