Mercado fechará em 4 h 26 min
  • BOVESPA

    110.724,70
    +1.831,38 (+1,68%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    41.778,87
    +104,57 (+0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,02
    -0,32 (-0,71%)
     
  • OURO

    1.815,90
    +35,00 (+1,97%)
     
  • BTC-USD

    18.885,82
    -513,95 (-2,65%)
     
  • CMC Crypto 200

    370,17
    -9,69 (-2,55%)
     
  • S&P500

    3.653,67
    +32,04 (+0,88%)
     
  • DOW JONES

    29.916,91
    +278,27 (+0,94%)
     
  • FTSE

    6.376,85
    +110,66 (+1,77%)
     
  • HANG SENG

    26.567,68
    +226,19 (+0,86%)
     
  • NIKKEI

    26.787,54
    +353,92 (+1,34%)
     
  • NASDAQ

    12.374,25
    +97,25 (+0,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3197
    -0,0415 (-0,65%)
     

Guardia diz que teto ‘tira o sono’ e vê margem menor para erro

Rachel Gamarski e Vinícius Andrade
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- O ex-ministro da Fazenda e CEO da BTG Pactual Asset Management, Eduardo Guardia não vê espaço para flexibilização do teto de gastos e alerta para a necessidade de avanço na agenda reformista do governo em meio à deterioração da situação fiscal do Brasil.

“O que me tira o sono não é a rolagem do Tesouro nesse período de curto prazo, mas a clareza do comprometimento com a continuidade das reformas e a manutenção do teto de gastos”, disse Guardia, em entrevista por vídeo. “O teto é uma âncora para a política econômica e fiscal, inclusive para poder sancionar um patamar de juros baixos no país.”

Guardia diz que o choque provocado pela pandemia exigiu um aumento das despesas públicas no curto prazo, mas cita que o gasto brasileiro foi comparável ao de países desenvolvidos, apesar do nível de endividamento maior do país. “Nosso ponto de partida é muito delicado, porque já vínhamos de uma situação fiscal complexa desde 2015”, disse. “A margem de manobra para cometer erro daqui para frente é muito menor.”

Para Guardia, o debate mais importante neste momento é sobre a qualidade do gasto público e como ele será acomodado dentro do teto ao longo do tempo. “Nós gastamos R$ 16 bilhões, R$ 20 bilhões por ano com emendas parlamentares. Neste momento, o que é mais importante? Emenda parlamentar ou transferência de renda? Essa é a discussão que precisa ser feita”, disse.

Em relação às reformas, Guardia acredita que as eleições municipais e a sucessão na presidência da Câmara e do Senado devem prejudicar o andamento de algumas das principais discussões no Congresso. E sugere “estratégia, foco e persistência” para o avanço de pautas como a PEC Emergencial, que assegura o cumprimento do teto de gastos com medidas de ajuste fiscal, como redução de jornada e salário de servidores.

Se o Brasil fizer a lição de casa e arrumar o lado fiscal, é “possível e absolutamente esperado” que consiga manter a inflação em patamar baixo. Ele não vê como problemática alguma normalização da taxa de juros adiante. “Não tem problema o juro ir para 5%. O que não pode é ir para 10%.”

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.