Mercado fechado
  • BOVESPA

    114.647,99
    +1.462,52 (+1,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.798,38
    +658,14 (+1,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,66
    +1,35 (+1,66%)
     
  • OURO

    1.768,10
    -29,80 (-1,66%)
     
  • BTC-USD

    60.962,36
    +296,45 (+0,49%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.464,06
    +57,32 (+4,07%)
     
  • S&P500

    4.471,37
    +33,11 (+0,75%)
     
  • DOW JONES

    35.294,76
    +382,20 (+1,09%)
     
  • FTSE

    7.234,03
    +26,32 (+0,37%)
     
  • HANG SENG

    25.330,96
    +368,37 (+1,48%)
     
  • NIKKEI

    29.068,63
    +517,70 (+1,81%)
     
  • NASDAQ

    15.144,25
    +107,00 (+0,71%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3297
    -0,0741 (-1,16%)
     

Grupos lançam iniciativa contra o Facebook nos EUA

·2 minuto de leitura
Enquanto o Facebook enfrenta uma tempestade contínua de problemas composta de várias crises interligadas, vários grupos de defesa pública lançaram um site que pede aos americanos que ajudem a colocar os parafusos no gigante da tecnologia. (Reprodução / HowToStopFacebook)
  • Facebook sofre com uma série de denúncias e vazamento de informação interna

  • Grupos lutam para que Congresso americano vote nova lei de proteção de dados

  • Legisladores americanos não parecem ter preocupação para aprovar nova regra com urgência

Enquanto o Facebook enfrenta uma tempestade contínua de problemas composta de várias crises interligadas, vários grupos de defesa pública lançaram um site que pede aos americanos que ajudem a colocar os parafusos no gigante da tecnologia.

Leia também:

Apropriadamente chamado de HowToStopFacebook.Org, o site acusa os algoritmos do FB de "prejudicar nossos filhos, minar a democracia nos EUA e globalmente e exacerbar a discriminação". Apoiado por grupos como Fight for the Future (Lutando pelo futuro, em inglês), Electronic Frontier Foundation (Fundação da Fronteira Eletrônica, em inglês) e dezenas de outros, o site faz referência a muitos dos pontos de discussão feitos recentemente por Frances Haugen, uma ex-funcionária do FB que se tornou denunciante que apareceu recentemente no '60 Minutes' e depois na frente de Congresso para discutir as maneiras pelas quais seu ex-empregador está prejudicando os americanos - especialmente as crianças.

Os grupos sugerem confiar no Congresso dos Estados Unidos para aprovar uma “lei real de privacidade de dados”, que torna “ilegal para empresas como o Facebook e o YouTube coletar a enorme quantidade de dados de que precisam para alimentar seus algoritmos”. O site fornece uma folha de inscrição que dá aos visitantes a oportunidade de mostrar seu apoio à iniciativa.

Aprovação da lei pode ser mais complicada do que parece

À primeira vista, uma lei federal de privacidade de dados é uma boa ideia - e algo sobre o qual as pessoas vêm falando há algum tempo. No entanto, tal empreendimento não é exatamente um processo simples e certamente não isento de riscos. Por um lado, os principais torcedores de uma lei federal de privacidade nos últimos anos têm sido as gigantescas empresas de tecnologia - as próprias entidades que tal lei deveria regulamentar. 

Os defensores da privacidade argumentam que tal lei daria às empresas a oportunidade de fazer o que fazem de melhor: enviar exércitos de lobistas em Washington para cooptar regulamentações e transformá-las em seu favor.

Mas o Congresso basicamente lavou as mãos para tentar algo com a proteção de dados básicos para o público. Assim, a legislação de privacidade foi praticamente cedida aos estados, onde muitas legislaturas tentaram - e muitas vezes não conseguiram - remendar seus próprios regulamentos. A aprovação da Lei de Privacidade do Consumidor da Califórnia, ou CCPA, em 2018, parecia ser um sinal de esperança e forneceu um roteiro para outros estados, como Colorado e Virgínia, fazer o mesmo. 

Uma abordagem liderada pelo estado apresenta um cenário regulatório muito mais complicado para empresas como o Facebook navegar e deixa a porta aberta para uma legislação potencialmente mais radical - algo bom para os consumidores, mas ruim para a indústria de tecnologia.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos