Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +413,26 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    61.561,87
    -1.782,48 (-2,81%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,68 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6872
    -0,0339 (-0,50%)
     

Grupo lança “novas” canções de Kurt Cobain e Amy Winehouse criadas por IA

Wagner Wakka
·2 minuto de leitura

Se Kurt Cobain não tivesse tirado a própria vida em 1994, será que teríamos canções importantes do artista ainda hoje? É essa reflexão que uma organização canadense chamada Over The Bridge quer fazer. Para isso, ela usou inteligência artificial para criar “novas músicas” inspiradas nos estilos de cantores que morreram precocemente por dificuldades em lidar com a saúde mental.

As músicas incluem artistas do chamado Clube dos 27, referente àqueles que faleceram aos 27 anos por diferentes causas relacionadas à depressão e outras questões de saúde mental.

Chamado de The Lost Tapes of 27 Club (“As Gravações Perdidas do Clube dos 27”, em tradução literal), o álbum contra com quatro músicas que replicam o estilo de Kurt Cobain (do Nirvana), Amy Winehouse, Jimi Hendrix e Jim Morrison (do The Doors).

O álbum foi criado com base em três etapas. A primeira foi a criação de um banco de dados com arquivos em MIDI isolados de melodias, letras e ritmos dos artistas. Com isso, um sistema de inteligência artificial “ouviu” os conteúdos e identificou padrões de cada um dos artistas.

Na segunda etapa, o sistema criou melodias, ritmos e letras para cada uma das músicas, tentando emular as técnicas e trejeitos de cada artista. No fim, um engenheiro de som pegou os resultados criados por inteligência artificial e uniu os elementos na composição final.

Assim, o grupo foi capaz de criar as “novas” músicas dos artistas. Confira os sons abaixo:

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

A proposta do grupo não é lançar novas músicas em cima da fama alheia, mas chamar atenção para a questão recorrente de problemas de saúde mental de artistas de indústria da música. Segundo o Over The Bridge, 71% dos músicos do Canadá tiveram ataques de ansiedade e pânico, sendo que 68% deles também relataram incidentes de depressão. Na média, tentativas de suicídio para quem trabalha na indústria da música é duas vezes maior que a de outros meios.

É sempre importante lembrar que, no Brasil, há o Centro de Valorização da Vida. A entidade realiza apoio emocional e prevenção do suicídio, atendendo voluntária e gratuitamente todas as pessoas que querem e precisam conversar, sob total sigilo. O contato pode ser feito pelo telefone 188 ou e-mail e chat pelo site do Centro de Valorização da Vida.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: