Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,79 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,80 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,74
    +0,25 (+0,31%)
     
  • OURO

    1.668,30
    -3,70 (-0,22%)
     
  • BTC-USD

    19.194,35
    -102,84 (-0,53%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,49
    +0,06 (+0,01%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,09 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.222,83
    +56,93 (+0,33%)
     
  • NIKKEI

    25.937,21
    -484,89 (-1,84%)
     
  • NASDAQ

    11.058,25
    +22,75 (+0,21%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3040
    +0,0060 (+0,11%)
     

Grupo de empresas pela sustentabilidade acelera crescimento em meio a crise na Amazônia

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - O CEBDS (Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável) alcançou cem associados nesta semana. O salto aconteceu nos últimos dois anos, já no governo Bolsonaro. A entidade tinha 61 empresas entre os membros em 2020.

Neste ano, juntaram-se ao conselho nomes como Azul Linhas Aéreas, Arezzo, Pão de Açúcar e Assaí.

O CEBDS foi criado por um grupo de empresários no final dos anos 1990 e, segundo a associação, as integrantes são responsáveis por quase 50% do PIB. Também fazem parte da entidade nomes como Bradesco, BRF, Banco do Brasil, Carrefour, Eletrobras, Renner, Itaú, Petrobras e Vivo.

Entre as iniciativas realizadas nos últimos anos, o CEBDS organizou pedidos ao governo para preservação da Amazônia, antecipação do prazo para zerar emissões de poluentes e outros.