Mercado abrirá em 4 h 23 min
  • BOVESPA

    119.710,03
    -3.253,98 (-2,65%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.748,41
    -906,88 (-1,83%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,65
    -1,43 (-2,16%)
     
  • OURO

    1.815,50
    -7,30 (-0,40%)
     
  • BTC-USD

    50.495,56
    -6.410,54 (-11,27%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.376,62
    -187,21 (-11,97%)
     
  • S&P500

    4.063,04
    -89,06 (-2,14%)
     
  • DOW JONES

    33.587,66
    -681,50 (-1,99%)
     
  • FTSE

    6.848,29
    -156,34 (-2,23%)
     
  • HANG SENG

    27.718,67
    -512,37 (-1,81%)
     
  • NIKKEI

    27.448,01
    -699,50 (-2,49%)
     
  • NASDAQ

    12.954,75
    -43,75 (-0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4178
    +0,0123 (+0,19%)
     

Grupo dono da Universidade Metodista de São Paulo pede proteção contra falência

Ivan Martinez Vargas
·1 minuto de leitura

SÃO PAULO - O grupo Educação Metodista, dono de 18 instituições de ensino entre as quais estão a Universidade Metodista de São Paulo e a Universidade Metodista de Piracicaba, protocolou um pedido de cautelar antecedente à recuperação judicial na Justiça do Rio Grande do Sul na última sexta-feira.Crise:Candido Mendes prevê 20 polos de EAD no Rio e venda de imóveis para pagar credoresA figura jurídica, incomum em processos de reestruturação de empresas, visa obter proteção judicial contra a cobrança de dívidas antes da recuperação judicial em si. Em seu pedido, a Metodista, como é conhecida, argumenta que necessita da suspensão das execuções para pagar salários e manter suas atividades.As dívidas do grupo ultrapassam o montante de R$ 500 milhões, e a maior parte do passivo é trabalhista. O pedido não foi formulado em São Paulo, onde estão as principais operações da Metodista, e sim no Rio Grande do Sul, onde suas atividades se iniciaram.Hoje, somando todos os alunos em seus 11 colégios e 6 instituições de ensino superior, a Metodista tem 19 mil alunos, a maioria Em cursos de graduação.Desde 2017, segundo Aser Gonçalves Junior, diretor de operações estratégicas da empresa, a perda de alunos foi de 60%. A crise de deu após mudanças no Fies, programa governamental de financiamento de ensino superior privado que foi desidratado a partir do final do governo de Dilma Rousseff.A pandemia e a concorrência por alunos com grandes conglomerados de educação aceleraram a perda de receita, de acordo com o executivo.