Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.247,15
    -2.542,18 (-2,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.394,03
    -1.070,00 (-2,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    108,66
    -0,93 (-0,85%)
     
  • OURO

    1.815,00
    -0,90 (-0,05%)
     
  • BTC-USD

    28.822,01
    -1.692,40 (-5,55%)
     
  • CMC Crypto 200

    650,57
    -20,11 (-3,00%)
     
  • S&P500

    3.923,68
    -165,17 (-4,04%)
     
  • DOW JONES

    31.490,07
    -1.164,52 (-3,57%)
     
  • FTSE

    7.438,09
    -80,26 (-1,07%)
     
  • HANG SENG

    20.644,28
    +41,76 (+0,20%)
     
  • NIKKEI

    26.911,20
    +251,45 (+0,94%)
     
  • NASDAQ

    11.879,75
    -55,75 (-0,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2234
    +0,0051 (+0,10%)
     

Grupo da UE quer acelerar acordos com Mercosul e outros países

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

(Bloomberg) -- Um grupo de países da União Europeia faz pressão para acelerar acordos de livre comércio paralisados, à medida que a guerra da Rússia com a Ucrânia ameaça seus interesses econômicos e de segurança.

Pelo menos 10 nações - incluindo Alemanha e Espanha - preparam um pedido à UE para acelerar as negociações atrasadas, de acordo com rascunho da carta obtido pela Bloomberg. A França se opôs ao andamento de acordos pendentes antes de sua eleição presidencial em abril.

A carta alerta que a UE corre o risco de ficar atrás de outros países, como o Japão, que tem 80% de seu comércio coberto por acordos de livre comércio. Outras nações que se beneficiam desses tipos de pactos comerciais “devem servir de alerta para a Europa”, segundo a carta, que diz que esses acordos são necessários para tornar a UE menos dependente e vulnerável.

“A guerra da Rússia na Ucrânia mostra que as escolhas estratégicas da UE não ocorrem no vácuo, mas em um contexto global onde diferentes potências e blocos econômicos disputam a liderança”, segundo o rascunho da carta, que ainda está sujeita a alterações.

Oposição francesa

A França ocupa a presidência de seis meses da UE desde janeiro, o que significa que pode definir a agenda política e acelerar ou atrasar certas questões. As negociações comerciais costumam ser controversas na França e, no passado, foram usadas como armas durante campanhas eleitorais.

A oposição da França irritou alguns países membros, principalmente no que diz respeito às discussões com o Chile, que é um parceiro importante em áreas estratégicas para as transições verde e digital e tem acesso ao lítio, material fundamental para construir baterias e outros componentes de alta tecnologia.

Os signatários da carta pedem negociações mais rápidas com Nova Zelândia, Austrália, Índia e Indonésia, assim com a implementação acelerada de acordos firmados com Chile, México e Mercosul.

‘Credibilidade’

A carta também diz que o processo para negociar, assinar e implementar acordos comerciais é “demasiado longo”. A UE ainda luta para ratificar seu acordo com o Mercosul concluído em 2019, após quase duas décadas de negociações.

“Se pudéssemos acelerar nosso trabalho para concluir e implementar acordos comerciais negociados, reforçaríamos nossos interesses econômicos e comerciais e aumentaríamos a credibilidade geral da UE como um parceiro comercial sério”, segundo a carta.

Os países que assinam o pedido são: República Checa, Dinamarca, Estônia, Finlândia, Alemanha, Irlanda, Letônia, Portugal, Espanha e Suécia.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos