Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.221,19 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,64 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    45.293,97
    -1.122,62 (-2,42%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,64 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,96 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,26 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7583
    +0,0194 (+0,29%)
     

Grupo de credores da Argentina critica política econômica 'errática' e alerta para atrasos em acordo com FMI

·1 minuto de leitura
Pedestres caminham em frente ao banco central da Argentina, em Buenos Aires

BUENOS AIRES (Reuters) - Um grupo de grandes credores da Argentina criticou o país sul-americano por suas políticas econômicas "erráticas", que afirmam estar afetando o crescimento e pesando nos preços dos títulos cinco meses após o governo reestruturar cerca de 65 bilhões de dólares em dívida externa.

O grupo de detentores de títulos, envolvido na reestruturação que curou o nono 'default' soberano da Argentina, acrescentou que teme que as negociações com o Fundo Monetário Internacional sobre um novo acordo estejam "subordinadas à política".

"Um programa do FMI é a única fonte provável de âncoras para a política econômica e uma estrutura de médio prazo confiável que pode trazer estabilidade", disse o documento. "No entanto, o governo parece estar pensando seriamente em adiar um acordo com o FMI para ter a liberdade de continuar com suas políticas insustentáveis."

A Argentina está atualmente em negociações sobre um novo programa do FMI para substituir uma linha de crédito fracassada de 2018, da qual o país já recebeu cerca de 44 bilhões de dólares que não pode pagar. Esse acordo é visto como a chave para fortalecer a posição econômica do país.

O governo da Argentina não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

(Por Adam Jourdan)