Mercado abrirá em 1 h 25 min
  • BOVESPA

    116.464,06
    -916,43 (-0,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.053,56
    -72,95 (-0,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,86
    +0,25 (+0,48%)
     
  • OURO

    1.844,50
    -6,40 (-0,35%)
     
  • BTC-USD

    31.399,11
    -279,97 (-0,88%)
     
  • CMC Crypto 200

    630,73
    -9,19 (-1,44%)
     
  • S&P500

    3.849,62
    -5,74 (-0,15%)
     
  • DOW JONES

    30.937,04
    -22,96 (-0,07%)
     
  • FTSE

    6.633,09
    -20,92 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.297,53
    -93,73 (-0,32%)
     
  • NIKKEI

    28.635,21
    +89,03 (+0,31%)
     
  • NASDAQ

    13.544,25
    +58,75 (+0,44%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5096
    -0,0012 (-0,02%)
     

Grupo aéreo IAG tem prejuízo de € 3,8 bilhões no primeiro semestre

·1 minuto de leitura
O grupo IAG foi muito afetado pela crise provocada pelo coronavírus

O grupo aéreo IAG, proprietário da British Airways e da Iberia, anunciou nesta sexta-feira um prejuízo líquido de 3,8 bilhões de euros (4,515 bilhões de dólares) no primeiro semestre devido à queda do tráfego provocada pela pandemia de coronavirus.

A empresa explicou em um comunicado que deseja aumentar seu capital em 2,75 bilhões de euros (3,265 bilhões de dólares) para reforçar as finanças em plena crise.

O faturamento do grupo no primeiro semestre caiu à metade, a 5,3 bilhões de euros (6,3 bilhões de dólares).

A crise sem precedentes levou o grupo a uma ampla reestruturação, com o anunciado corte de 12.000 postos de trabalho na British Airways.

O IAG acredita que será necessário esperar pelo menos até 2023 para que a demanda retorne aos níveis de 2019.

Também nesta sexta-feira, a companhia aérea holandesa KLM indicou que pode suprimir até 5.000 postos de trabalho nos próximos anos devido à crise provocada pelo novo coronavírus.

"A estrutura e o tamanho da KLM precisam ser ajustados de maneira rigorosa nos próximos anos. Em consequência deixarão de existir entre 4.500 e 5.000 postos de trabalho em todo o grupo KLM", afirmou a empresa em um comunicado.