Mercado fechará em 2 h 38 min
  • BOVESPA

    111.210,04
    +537,28 (+0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.416,01
    +13,31 (+0,03%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,61
    +0,65 (+0,78%)
     
  • OURO

    1.785,00
    +14,50 (+0,82%)
     
  • BTC-USD

    66.662,17
    +4.073,43 (+6,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.550,89
    +70,08 (+4,73%)
     
  • S&P500

    4.536,95
    +17,32 (+0,38%)
     
  • DOW JONES

    35.631,46
    +174,15 (+0,49%)
     
  • FTSE

    7.223,10
    +5,57 (+0,08%)
     
  • HANG SENG

    26.136,02
    +348,81 (+1,35%)
     
  • NIKKEI

    29.255,55
    +40,03 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    15.400,50
    +2,00 (+0,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4644
    -0,0318 (-0,49%)
     

Gripe também pode deixar sequelas duradouras, assim como covid longa

·3 minuto de leitura

Com o surgimento do coronavírus SARS-CoV-2, pesquisadores e médicos começaram a identificar que alguns indivíduos não eram mais transmissíveis, mas permaneciam com algumas sequelas da infecção. Ainda em estudo, o quadro foi definido como covid longa ou pós-covid. Agora, uma nova pesquisa observou que situação também pode ocorrer com quem teve gripe. Só que a frequência é bem menor.

Publicado na revista científica PLOS Medicine, a pesquisa da Universidade de Oxford, no Reino Unido, analisou registros de saúde de milhões de pessoas nos Estados Unidos, incluindo aqueles que tiveram o diagnóstico positivo para covid-19 ou para gripe. No total, foram avaliados 81 milhões de pacientes, incluindo 273.618 sobreviventes da infecção por coronavírus.

Infecções, como covid-19 e gripe, podem deixar sequelas duradouras (Imagem: Reprodução/Fusion Medical Animation/Unsplash)
Infecções, como covid-19 e gripe, podem deixar sequelas duradouras (Imagem: Reprodução/Fusion Medical Animation/Unsplash)

Observação importante: foram incluídas pessoas que, provavelmente, estavam bastante doentes no estudo. Dessa forma, as taxas descobertas podem não ser igualmente significantes para toda a população, segundo os autores.

Prevalência da covid longa no estudo

As sequelas da doença foram registradas se aparecessem em até seis meses. Para a covid-19, 57% dos pacientes tiveram uma ou mais características da covid longa em um intervalo de até seis meses, e 36,55% pacientes relataram o quadro entre 3 a 6 meses da "cura". "Isso foi significativamente maior do que [o medido] após a gripe", apontam os autores.

Além disso, 2 a cada 5 voluntários — que apresentaram sintomas da covid longa no período de 3 a 6 meses — não tinham registro de qualquer característica nos 3 meses anteriores. Em outras palavras, os sintomas não foram uma continuidade da infecção, ou seja, a pessoa pode não ter tido falta de ar com a covid-19, mas desenvolveu após a "recuperação". A idade média dos participantes era de 46 anos.

Sintomas da covid longa

Durante o estudo britânico, os pesquisadores calcularam 9 principais características da covid longa. Foram elas:

Dificuldade respiratória é o sintoma da covid longa mais relatado por pacientes (Imagem: Reprodução/Ckstockphoto/Envato Elements)
Dificuldade respiratória é o sintoma da covid longa mais relatado por pacientes (Imagem: Reprodução/Ckstockphoto/Envato Elements)
  • Dificuldades respiratórias e/ou falta de ar: 18,71% no período de 1 a 180 dias e 7,94% no período de 90 a 180 dias;

  • Fadiga e mal-estar: 12,82% e 5,87%;

  • Dor no peito ou na garganta: 12,60% e 5,71%;

  • Cefaleia (dor de cabeça): 8,67% e 4,63%;

  • Outras dores: 11,60% e 7,19%;

  • Dores abdominais: 15,58% e 8,29%;

  • Mialgia (dores musculares): 3,24% e 1,54%;

  • Sintomas cognitivos: 7,88% e 3,95%;

  • Ansiedade e/ou depressão: 22,82%; 15,49%.

Vale observar que "todas as 9 características foram relatadas com mais frequência após a covid-19 do que após a gripe", explicam os autores.

Novos estudos sobre a sequela das infecções

A partir dos resultados, os pesquisadores sugerem que os dois vírus podem causar problemas de longo prazo e que demoram para ser resolvidos, mesmo que as intensidades sejam significativamente diferentes.

Para o pesquisador e um dos autores do artigo, Paul Harrison, muitas pessoas já imaginaram que se recuperariam de forma mais rápida de uma gripe, mas isso levou muito mais tempo do que o planejado. Este seria um indicativo de que a infecção deixasse algum tipo de sequela. Até então, o fato era desconhecido.

Além disso, Harrison sugere que a taxa muito mais alta da covid longa pode ter sido influenciada pelo fato de que as pessoas têm maior probabilidade de procurar atendimento para sintomas desta doença do que para a gripe.

Independente disso, o consenso dos autores é que, provavelmente, os sintomas persistentes são, de fato, mais comuns para covid. Agora, novos estudos devem ser iniciados para acompanhar por quanto mais tempo esses sintomas e sequelas podem prevalecer.

Para acessar o estudo completo, clique aqui.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos