Mercado fechado
  • BOVESPA

    116.464,06
    -916,43 (-0,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.053,56
    -72,95 (-0,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,73
    +0,12 (+0,23%)
     
  • OURO

    1.846,90
    -4,00 (-0,22%)
     
  • BTC-USD

    32.250,94
    -305,41 (-0,94%)
     
  • CMC Crypto 200

    650,42
    +3,10 (+0,48%)
     
  • S&P500

    3.849,62
    -5,74 (-0,15%)
     
  • DOW JONES

    30.937,04
    -22,96 (-0,07%)
     
  • FTSE

    6.654,01
    +15,16 (+0,23%)
     
  • HANG SENG

    29.556,58
    +165,32 (+0,56%)
     
  • NIKKEI

    28.696,96
    +150,78 (+0,53%)
     
  • NASDAQ

    13.552,00
    +66,50 (+0,49%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5154
    +0,0046 (+0,07%)
     

Grife brasileira retira imagem de deus hindu de shorts

·1 minuto de leitura
Devoto compra imagem de deus hindu Lord Ganesha em Ahmedabad, na Índia

BRASÍLIA (Reuters) - Uma grife de moda brasileira retirou propagandas de sua linha de shorts masculinos e femininos que usavam a imagem de Lord Ganesha, um dos deuses mais reverenciados do hinduísmo, em resposta a reclamações de sacrilégio.

A grife Jon Cotre, sediada em São Paulo, disse que os anúncios foram retirados de seu site e que parou de comercializar as peças.

"Peço desculpas em nome da empresa pelo ocorrido. Nossa intenção nunca foi de 'banalizar' ou ofender", disse uma porta-voz da marca.

Lord Ganesha, facilmente identificado por sua cabeça de elefante, é uma das divindades mais conhecidas e adoradas da terceira religião do mundo, que tem cerca de 1,2 bilhão de fiéis. Ele é patrono dos intelectuais, banqueiros, escribas e autores.

O embaixador da Índia no Brasil, Suresh Reddy, conversou com o dono da marca, Jon Cotre, para explicar quão sensível é o uso da imagem de Lord Ganesha, disse a embaixada.

Em comunicado, a embaixada disse que Cotre concordou imediatamente em remover as imagens e o material de suas lojas.

Clérigo hindu que mora nos Estados Unidos, Rajan Zed havia criticado o uso comercial inapropriado de imagens de Lord Ganesha, reclamando de "apropriação religiosa, sacrilégio e ridicularização de comunidades inteiras".

(Reportagem de Anthony Boadle)