Mercado fechará em 1 h 8 min
  • BOVESPA

    119.545,98
    -1.695,66 (-1,40%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.577,63
    -880,39 (-1,90%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,93
    +0,57 (+1,09%)
     
  • OURO

    1.841,40
    +11,50 (+0,63%)
     
  • BTC-USD

    37.194,49
    +752,75 (+2,07%)
     
  • CMC Crypto 200

    736,90
    +21,70 (+3,03%)
     
  • S&P500

    3.796,52
    +28,27 (+0,75%)
     
  • DOW JONES

    30.957,41
    +143,15 (+0,46%)
     
  • FTSE

    6.712,95
    -7,70 (-0,11%)
     
  • HANG SENG

    29.642,28
    +779,51 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    28.633,46
    +391,25 (+1,39%)
     
  • NASDAQ

    12.930,50
    +128,25 (+1,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4512
    +0,0559 (+0,87%)
     

Greve no setor de oleaginosas da Argentina prossegue; exportações são afetadas

Jorge Otaola
·1 minuto de leitura
Navios carregados com grãos na região de Rosario, Argentina

Por Jorge Otaola

BUENOS AIRES (Reuters) - Os trabalhadores de indústrias oleaginosas e inspetores de grãos da Argentina mantinham nesta sexta-feira uma greve que já dura mais de uma semana, afetando a produção de farelo de soja e as exportações agrícolas do país, sem sinais de que um acordo salarial possa ser fechado no curto prazo.

As empresas produtoras de farelo e agroexportadoras têm mantido negociações com os sindicatos de trabalhadores do setor de oleaginosas em relação ao reajuste salarial de 2021. Ambos os lados acusam o outro de intransigência nas conversas.

"Estamos pedindo que eles interrompam a greve e voltem à mesa de negociações o mais rápido possível. Por enquanto, não tivemos resposta", disse Gustavo Idigoras, presidente da câmara de empresas exportadoras e processadoras de oleaginosas CIARA-CEC.

Também faz parte da greve o sindicato Urgara, de inspetores de grãos, necessários para o fluxo das safras argentinas nos portos.

"Não há nada de novo em relação às negociações. Não parece que qualquer coisa vá acontecer até a semana que vem", disse um porta-voz do Urgara à Reuters.

A paralisação afetou os embarques da maior exportadora de farelo de soja do mundo. As greves são comuns na Argentina, onde os empregadores são pressionados a conceder aumentos salariais em linha com a alta inflação.

Os preços ao consumidor no país subiram 3,2% apenas em novembro, e 30,9% nos 11 primeiros meses do ano, segundo dados oficiais.