Mercado fechará em 7 mins
  • BOVESPA

    111.185,23
    -2.245,31 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.627,40
    +63,13 (+0,12%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,42
    -2,45 (-3,11%)
     
  • OURO

    1.942,80
    -2,50 (-0,13%)
     
  • BTC-USD

    23.050,94
    -132,94 (-0,57%)
     
  • CMC Crypto 200

    521,35
    +278,67 (+114,83%)
     
  • S&P500

    4.058,11
    -18,49 (-0,45%)
     
  • DOW JONES

    33.771,05
    -314,99 (-0,92%)
     
  • FTSE

    7.761,11
    -10,59 (-0,14%)
     
  • HANG SENG

    22.072,18
    +229,85 (+1,05%)
     
  • NIKKEI

    27.346,88
    +19,77 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.144,50
    -7,50 (-0,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5521
    +0,0365 (+0,66%)
     

Greve ferroviária é retomada no Reino Unido

A greve no transporte ferroviário, que já dura seis meses, foi retomada nesta terça-feira (3) no Reino Unido.

Funcionários do sistema ferroviário planejam cinco dias de paralisação com "interrupções importantes" dos trens.

Cerca de 40.000 funcionários, que trabalham para Network Rail -gestor público da rede ferroviária- mas também para 14 empresas privadas de trens, vão cumprir quatro dias de greve a pedido do sindicato RMT. O sindicato de condutores de trens, Aslef, pede um dia adicional.

O RMT, que lançou em junho a maior greve do setor em 30 anos, reivindica melhores salários frente à inflação que ronda 11% no país, mas também garantias sobre as condições de trabalho.

O sindicato acusa o governo conservador de bloquear as negociações.

Network Rail alertou que espera para esta semana "interrupções importantes" em várias partes da rede ferroviária e pediu aos britânicos para "viajar só se for absolutamente necessário".

"Os sindicatos decidiram que querem fazer greve esta semana, o que é profundamente inútil já que afeta o setor ferroviário e os interesses das pessoas que lá trabalham", denunciou nesta terça-feira na Sky News o ministro de Transportes Mark Harper.

O ministro garante "trabalhar duro" na resolução do conflito entre as companhias ferroviárias e os sindicatos e indica que há uma oferta sobre a mesa.

Mas para o secretário-geral da RMT, Mick Lynch, o Executivo "mina os esforços para obter um acordo", impondo condições rigorosas demais aos negociadores das companhias ferroviárias.

"Não podemos aceitar a proposta atual. Necessitamos novos elementos na equação para chegarmos a soluções", disse, porque "é possível chegar a um acordo nos próximos dias".

O transporte já havia sofrido durante as festas de fim de ano pela greve de trabalhadores ferroviários e também de agentes de trânsito nas rodovias britânicas, além da polícia de fronteira, o que obrigou a mobilização de militares em vários aeroportos britânicos.

ode/gmo/nth/mab/eg/jc/mr