Mercado fechará em 6 h 53 min
  • BOVESPA

    99.621,58
    0,00 (0,00%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.061,61
    -373,84 (-0,77%)
     
  • PETROLEO CRU

    109,30
    -0,48 (-0,44%)
     
  • OURO

    1.823,80
    +6,30 (+0,35%)
     
  • BTC-USD

    19.232,25
    -810,43 (-4,04%)
     
  • CMC Crypto 200

    412,28
    -27,39 (-6,23%)
     
  • S&P500

    3.818,83
    -2,72 (-0,07%)
     
  • DOW JONES

    31.029,31
    +82,32 (+0,27%)
     
  • FTSE

    7.168,08
    -144,24 (-1,97%)
     
  • HANG SENG

    21.859,79
    -137,10 (-0,62%)
     
  • NIKKEI

    26.393,04
    -411,56 (-1,54%)
     
  • NASDAQ

    11.519,00
    -172,00 (-1,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4627
    +0,0521 (+0,96%)
     

Greve de caminhoneiros na Coreia do Sul afeta a cadeia mundial de suprimentos

As cadeias mundiais de suprimentos, afetadas pela guerra na Ucrânia e os confinamentos na China, foram novamente prejudicadas na última semana por uma greve de caminhoneiros na Coreia do Sul.

A paralisação, um protesto contra o aumento dos preços dos combustíveis, começou há oito dias e perturbou a produção e o transporte nos setores siderúrgico, petroquímico e de automóveis.

O ministério do Comércio calcula as perdas em 1,6 trilhão de wons (1,2 bilhão de euros).

A greve representa um desafio a mais para as cadeias de suprimentos, afetadas pelos prolongados confinamentos na China e pela guerra na Ucrânia.

A Coreia do Sul é o maior exportador mundial de chips de memória e é a sede do grupo de semicondutores Samsung Electronics, assim como de empresas importantes do setor automobilístico, incluindo Kia e Hyundai Motors.

Os caminhoneiros interromperam suas atividades nos portos e fábricas da quarta maior economia da Ásia para protestar contra o fim do salário mínimo e o aumento dos custos.

Esta é a primeira greve importante desde a posse do presidente Yoon Suk-yeol, um conservador pró-empresas que prometeu linha dura nos conflitos trabalhistas.

Em uma reunião de gabinete nesta terça-feira, o primeiro-ministro Han Duck-soo pediu o fim das greves e disse que as paralisações podem representar um "golpe muito duro" para a economia do país, que é orientada para a exportação.

"Isto tudo está provocando grande dano à rede logística", afirmou.

bur-sh/ceb/je/mav/eb/sag/zm/fp

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos