Mercado fechado

Grendene contrata mais de 3 mil temporários para produção no quarto trimestre

Cibelle Bouças
·5 minuto de leitura

A empresa, dona de marcas como Melissa, Grendha, Zaxy, Rider, Cartago e Ipanema, não fez demissões durante a pandemia Reprodução/Facebook/@RiderOficial A Grendene, dona de marcas como Melissa, Grendha, Zaxy, Rider, Cartago e Ipanema, informou nesta sexta-feira que está otimista em relação ao quarto trimestre do ano, apesar das incertezas que ainda existem no cenário devido à pandemia de covid-19. “Acreditamos que estamos saindo da pandemia mais fortes como empresa. Apesar das incertezas que permanecem relacionadas à pandemia, as perspectivas para o quarto trimestre são positivas”, afirmou o diretor de relações com investidores da Grendene, Alceu Albuquerque. O executivo disse que a companhia contratou mais de 3 mil funcionários temporários para ampliar a produção de calçados no quarto trimestre, atendendo a demanda que voltou a se aquecer. Albuquerque observou que a Grendene não fez demissões durante a pandemia. A empresa fez apenas redução de salário e jornada, medida que foi adotada em todos os setores da companhia. “Nossa produção diária tem sido recorde no quarto trimestre. Mantemos o otimismo para o período”, disse Albuquerque. O diretor da Grendene disse que as vendas de calçados no Brasil estão mais aquecidas do que no exterior, reflexo da flexibilização das regras de distanciamento social, da liberação de recursos do auxílio emergencial e da “excelente” receptividade da coleção primavera verão, nas palavras do executivo. O executivo disse que a Grendene esperava uma recuperação gradual das vendas no terceiro trimestre, mas a retomada das vendas apresentou um ritmo mais acelerado do que o previsto com a reabertura do comércio. Albuquerque acrescentou que as lojas do varejo de calçados e as grandes redes de moda, como Renner, Riachuelo e Marisa, voltaram a operar no ritmo pré-pandemia a partir de agosto, o que tem ajudado a companhia a acelerar o seu ritmo de vendas. Nos meses anteriores da pandemia, as vendas se fortaleceram em lojas de autosserviço, como supermercados, hipermercados e farmácias. Esse varejo vende calçados com preço médio mais baixo, o que contribuiu para a queda na receita por par vendido no terceiro trimestre. Já o desempenho das lojas Clube Melissa apresentam uma recuperação mais lenta. Albuquerque disse que parte das lojas está instalada em shopping centers que levaram mais tempo para reabrir. Albuquerque destacou que a receita bruta do terceiro trimestre, de R$ 772,8 milhões, foi a mais alta da história da companhia para o período. A receita bruta da Grendene cresceu 9,5% em relação ao terceiro trimestre de 2019. A receita líquida avançou 8,3% no período, para R$ 630,8 milhões. O lucro líquido, no entanto, caiu 33,6%, para R$ 110,8 milhões, como resultado de maiores despesas operacionais e financeiras e piora no mix de vendas. Normalização de oferta de matérias-primas A Grendene informou também que espera ver uma normalização da oferta de matérias-primas até dezembro deste ano. “Não vejo risco de desabastecimento. Acho que a oferta vai se normalizar até dezembro”, disse Albuquerque. A companhia reportou no terceiro trimestre uma queda de 3,2 pontos percentuais na margem bruta em relação ao mesmo período de 2019, para 44,7%, resultado da pressão de custos nas matérias-primas, segundo o executivo. A escassez de resina, por causa das paradas programadas dos fabricantes no Brasil e no exterior, e de outros insumos no mercado doméstico, provocaram o aumento nos custos das matérias-primas no terceiro trimestre. A Grendene informou que a alta no preço da resina não teve maior impacto em seus custos porque a companhia tinha estoques de segurança com custos médios inferiores. Outro fator que contribuiu para a queda no lucro da companhia no terceiro trimestre foi o reconhecimento, no terceiro trimestre de 2019, de uma receita não recorrente de R$ 47,8 milhões, relativa ao ganho da ação de exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS/Cofins. O efeito líquido no resultado foi de R$ 38 milhões, o que elevou a base de comparação para o resultado do terceiro trimestre deste ano. O pedido total de compensação da Grendene é de R$ 502,4 milhões. A companhia reconheceu contabilmente no ano passado créditos tributários o valor de R$ 52,2 milhões como ganho certo originado no processo de recuperação dos créditos de ICMS. Outros R$ 450,1 milhões permanecem como valor provável. Albuquerque observou que a empresa esperava que o caso fosse apreciado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) em dezembro do ano passado, mas o julgamento foi transferido para abril deste ano. Em março, no entanto, o processo foi retirado da pauta de julgamentos devido à pandemia. Não há data prevista para o julgamento. “A Grendene aguarda no momento uma decisão do STF sobre os créditos de ICMS”, disse o executivo. Migração de lojas on-line A Grendene planeja concluir até o primeiro trimestre de 2021 a migração de suas lojas on-line, que hoje estão instaladas em plataformas de parceiros, para plataforma proprietária da companhia. No terceiro trimestre, a Grendene colocou no ar a tecnologia própria, com o lançamento das lojas virtuais das marcas Zaxy, Rider e Melissa USA. Albuquerque disse que desde que lançou o site da Zaxy na plataforma própria, as vendas cresceram mais de 500% em relação ao ano passado. Como parte das estratégias para ampliar as vendas, a Grendene também lançou em setembro o Hello Melissa, clube de assinatura da marca, que envia mensalmente aos consumidores kits especiais, com brindes e produtos da Melissa. A assinatura do clube custa R$ 129,90 por mês mais frete. A companhia ainda anunciou em setembro o contrato de licenciamento com a Vulcabras para produzir e vender com exclusividade produtos da marca Azaleia no Brasil e no exterior, com exceção de Chile, Colômbia e Peru. A parceria é válida por três anos, podendo ser renovada por um período adicional de mais três anos. “O licenciamento com a Vulcabras vai ampliar nossa relevância no segmento de calçados femininos e consolidar nossa posição como um dos principais competidores de calçados no Brasil e no mundo”, afirmou Albuquerque.