Mercado abrirá em 1 h 22 min
  • BOVESPA

    122.937,87
    +1.057,05 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.371,98
    +152,72 (+0,31%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,40
    +0,13 (+0,20%)
     
  • OURO

    1.867,20
    -0,40 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    45.577,48
    +289,35 (+0,64%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.268,75
    +70,84 (+5,91%)
     
  • S&P500

    4.163,29
    -10,56 (-0,25%)
     
  • DOW JONES

    34.327,79
    -54,34 (-0,16%)
     
  • FTSE

    7.064,84
    +31,99 (+0,45%)
     
  • HANG SENG

    28.593,81
    +399,72 (+1,42%)
     
  • NIKKEI

    28.406,84
    +582,01 (+2,09%)
     
  • NASDAQ

    13.372,00
    +68,50 (+0,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4425
    +0,0326 (+0,51%)
     

Grandes restaurantes ameaçam protestos contra prorrogação de restrições de Doria

JOANA CUNHA
·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Cristiano Melles, presidente da ANR (Associação Nacional dos Restaurantes), que reúne redes como Burger King, McDonald's e Outback, diz que o setor voltou a planejar protestos de rua contra as medidas de restrição do governo Doria para conter o contágio da Covid.

A insatisfação do setor cresceu neste quarta (28) depois que o governador anunciou a prorrogação da fase de transição do plano de contenção da pandemia até o dia 9 de maio. O horário de funcionamento foi estendido para o período das 6h às 20h a partir deste sábado (1º), mas os donos de restaurantes reclamam que ainda inviabiliza o atendimento no jantar.

"A única maneira de deixar o desacordo do setor claro é ir para a rua mostrar a nossa insatisfação, já que os canais institucionais não estão funcionando. A atividade não fica de pé sem o jantar e com limite de 25% de ocupação", afirma Melles.

O setor chegou a fazer algumas manifestações de rua no início do ano para reclamar do fechamento, mas depois suspendeu o movimento porque alguns líderes avaliaram que não passou a mensagem pretendida.