Mercado abrirá em 9 h 9 min
  • BOVESPA

    95.368,76
    -4.236,78 (-4,25%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    37.393,71
    -607,60 (-1,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    37,56
    +0,17 (+0,45%)
     
  • OURO

    1.879,00
    -0,20 (-0,01%)
     
  • BTC-USD

    13.233,60
    +16,31 (+0,12%)
     
  • CMC Crypto 200

    261,86
    -10,83 (-3,97%)
     
  • S&P500

    3.271,03
    -119,65 (-3,53%)
     
  • DOW JONES

    26.519,95
    -943,24 (-3,43%)
     
  • FTSE

    5.582,80
    -146,19 (-2,55%)
     
  • HANG SENG

    24.422,85
    -285,95 (-1,16%)
     
  • NIKKEI

    23.261,98
    -156,53 (-0,67%)
     
  • NASDAQ

    11.236,75
    +104,00 (+0,93%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7393
    +0,0049 (+0,07%)
     

Grandes pedaços de lixo espacial se aproximaram e por pouco não colidiram

Danielle Cassita
·2 minutos de leitura

Na quinta-feira (15), dois grandes pedaços de lixo espacial estavam em rota de colisão à velocidade de 52.950 km/h, e era esperado que eles se chocassem durante a noite. O impacto entre o que restou do antigo satélite soviético Soviet Parus e do propulsor de um foguete chinês parece não ter acontecido por pouco, e a LeoLabs, empresa que rastreia detritos espaciais, vai realizar coletar novos dados se certificar que não há novos detritos em órbita, que teriam sido gerados pelo impacto.

A LeoLabs havia previsto que os dois objetos passariam a apenas 12 metros de distância do outro, o colocava as chances de colisão acima de 10% e, felizmente, eles não parecem ter se atingido, já que, se tivessem colidido, teriam gerado uma nuvem de detritos que poderia atingir outros satélites. "Com a colisão, as partes dos detritos acabam em órbitas elípticas em que elas cruzam várias altitudes", explica John McDowell, astrônomo e rastreador de satélites do Harvard-Smithsonian Center for Astrophysics. Isso é preocupante, porque esses pedaços não estão em rotas seguras.

Mesmo assim, existem vários objetos em trajetórias cuja colisão não pode ser evitada. No caso do satélite e do que restou do propulsor, a colisão poderia ter causado um fenômeno chamado de Síndrome de Kessler, onde os detritos do impacto começam a atingir outros satélites e iniciam uma espécie de efeito dominó de destruição. McDowell ressalta que essas colisões são mais raras atualmente: "tipicamente, você teria alguma propulsão no satélite para que no fim da missão seja possível diminuir a órbita o suficiente para que ele reentre e caia no mar ou se queime".

Geralmente, passagens próximas assim costumam ocorrer uma ou duas vezes por ano, e as colisões acontecem cerca de uma vez por década. Entretanto, com cada vez mais satélites em órbita, é possível que o número de colisões aumente. "A não ser que tomemos providências, o problema vai piorar", finaliza ele. De qualquer forma, é certo que os detritos orbitais representam um problema preocupante, porque podem atingir naves, satélites e colocar em risco a segurança de astronautas. Existem algumas iniciativas para buscar alguma solução para o problema, como a Gateway Earth Development Group (GEDG) que faria uma espécie de limpeza no espaço.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: