Mercado fechará em 2 h 14 min
  • BOVESPA

    119.626,68
    -435,31 (-0,36%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.906,35
    +38,73 (+0,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,45
    +0,10 (+0,16%)
     
  • OURO

    1.780,70
    -12,40 (-0,69%)
     
  • BTC-USD

    54.008,88
    -1.833,92 (-3,28%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.263,84
    +20,79 (+1,67%)
     
  • S&P500

    4.143,93
    -29,49 (-0,71%)
     
  • DOW JONES

    33.859,49
    -277,82 (-0,81%)
     
  • FTSE

    6.938,24
    +42,95 (+0,62%)
     
  • HANG SENG

    28.755,34
    +133,42 (+0,47%)
     
  • NIKKEI

    29.188,17
    +679,62 (+2,38%)
     
  • NASDAQ

    13.826,50
    -92,75 (-0,67%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5683
    -0,1337 (-1,99%)
     

Grandes empresas na Tailândia apostam em alimentos com maconha

Prim Chuwiruch e Lee Miller
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Quando jovem, há mais de quatro décadas, Tan Passakornnatee lembra de ter ficado “viciado” na sopa de macarrão com carne em uma loja perto de sua casa no leste da Tailândia. Só depois soube que no caldo havia um ingrediente especial: maconha.

“Me sentia como um viciado em nicotina que havia parado de fumar, porque só pensava no macarrão”, disse Tan, agora com 61 anos e presidente do conselho da fabricante de bebidas Ichitan Group. “E então, um dia, os proprietários me mostraram o segredo.” Atualmente, Tan está se prepara para capitalizar a decisão da Tailândia em 2019 de legalizar o uso da maconha para fins de saúde e pesquisa. Tan espera que o governo permita o uso do ingrediente em alimentos embalados no terceiro trimestre, após o qual Ichitan lançará bebidas com infusão de cannabis.

Os planos da fabricante de bebidas com sede em Bangkok dão uma pista de como grandes empresas esperam lucrar com algumas das iniciativas liberais introduzidas pelo primeiro-ministro Prayuth Chan-Ocha, o que poderia remodelar a sociedade antes conservadora da Tailândia. Além das mudanças em relação à maconha, o governo liderado pelo ex-general do exército de 67 anos - que comandou um golpe em 2014 - apresentou uma proposta no parlamento para reconhecer as uniões entre pessoas do mesmo sexo, o que poderia eventualmente ajudar a promover a Tailândia como um destino amigável para a comunidade LGBT. Neste ano, Prayuth também disse que vai estudar a legalização de cassinos.

“Todas as grandes empresas buscarão investir, ninguém deixaria passar a oportunidade”, disse Tan sobre a nova indústria de cannabis. “A chave é quem será o primeiro no mercado e quem pode capturar a maior fatia.”

Prayuth, que recebeu perguntas sobre suas políticas, não quis comentar por meio de um assessor.

A empresa de frutos do mar Thai Union Group, dona das marcas Chicken of the Sea, Red Lobster e John West, estuda o uso de cannabis para o chamado “Happy Tuna”, embora ainda não tenha planos concretos, uma vez que o uso ainda não é permitido em alimentos embalados. A processadora de frutas e legumes enlatados Malee Group está financiando um centro de pesquisa de cannabis na Universidade Khon Kaen.

A Oishi Group, braço de restaurantes e bebidas da gigante Thai Beverage, disse em um comunicado enviado por e-mail à Bloomberg que está acompanhando as notícias e aguardando mais clareza sobre regulamentação. A ThaiBev é controlada pela pessoa mais rica do país.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.