Mercado fechado
  • BOVESPA

    119.564,44
    +1.852,44 (+1,57%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.399,80
    +71,60 (+0,15%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,10
    -0,53 (-0,81%)
     
  • OURO

    1.784,30
    0,00 (0,00%)
     
  • BTC-USD

    56.810,63
    +2.777,05 (+5,14%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.459,26
    +53,95 (+3,84%)
     
  • S&P500

    4.167,59
    +2,93 (+0,07%)
     
  • DOW JONES

    34.230,34
    +97,31 (+0,29%)
     
  • FTSE

    7.039,30
    +116,13 (+1,68%)
     
  • HANG SENG

    28.417,98
    -139,16 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    29.083,76
    +271,13 (+0,94%)
     
  • NASDAQ

    13.501,50
    +10,50 (+0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4271
    +0,0002 (+0,00%)
     

Grandes cidades brasileiras ficam sem vacina para a segunda dose

·2 minuto de leitura
Profissional da saúde aplica dose da vacina chinesa CoronaVac contra a covid-19, em Santiago, Chile

Pelo menos sete capitais dos 27 estados do Brasil, incluindo grandes cidades como Belo Horizonte e Porto Alegre, interromperam a aplicação da segunda dose da vacina CoronaVac por falta do imunizante, o mais utilizado no país.

Aracaju e Recife, Belém e Porto Velho e Campo Grande enfrentam a mesma situação, segundo reportagem do portal de notícias G1.

O prefeito do Rio de Janeiro suspendeu neste sábado por dez dias a vacinação da segunda dose do CoronaVac, do laboratório chinês Sinovac, mas no dia seguinte decidiu retomar a partir desta segunda-feira, começando pelos maiores de 70 anos.

Os menores de 60 anos que já receberam a primeira dose entre 10 e 17 de abril terão que esperar até 17 de maio para a segunda, ou seja, entre 30 e 40 dias depois, embora o intervalo recomendado seja de 28 dias.

Mais da metade das capitais carecem das reservas para entregar a segunda dose à população no tempo necessário, segundo o jornal Folha de S.Paulo. Dados da Confederação Nacional de Municípios revelam que 30% dos municípios brasileiros ficaram sem estoque na semana passada para a segunda dose.

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, admitiu neste domingo que a falta se deve a uma decisão equivocada de seu antecessor, o general Eduardo Pazuello, que deixou o cargo em meados de março.

Em fevereiro, Pazuello recomendou que estados e municípios aproveitassem as reservas destinadas à segunda dose, com o objetivo de acelerar a vacinação.

O então ministro contou com a entrega de mais doses, que foram adiadas principalmente por dificuldades na importação dos princípios ativos do imunizante.

O Instituto Butantan de São Paulo, associado ao laboratório chinês para a fabricação da CoronaVac, anunciou na sexta-feira a entrega antecipada de 600 mil doses, embora apenas 42 milhões dos 46 milhões previstos até o final de abril tenham sido entregues no prazo.

Com 212 milhões de habitantes, o Brasil totaliza mais de 407 mil mortes por coronavírus, saldo superado apenas pelos Estados Unidos.

A campanha de vacinação começou em meados de janeiro, um mês depois da maioria dos países europeus e atrás de vizinhos como a Argentina. Outras vacinas em uso no Brasil são a sueco-britânica AstaZeneca e a anglo-americana Pfizer/BioNtech, que começaram a ser distribuídas nesta segunda-feira.

Apesar da situação, o ministro Queiroga garantiu nesta sexta-feira em videoconferência com a OMS que todos os brasileiros serão vacinados até o final do ano.

lg/pt/val/js/mls/jc