Mercado fechado
  • BOVESPA

    101.259,75
    -658,25 (-0,65%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.707,72
    +55,52 (+0,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    39,78
    -0,07 (-0,18%)
     
  • OURO

    1.903,40
    -1,80 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    13.019,98
    +2,46 (+0,02%)
     
  • CMC Crypto 200

    260,05
    -1,40 (-0,54%)
     
  • S&P500

    3.465,39
    +11,90 (+0,34%)
     
  • DOW JONES

    28.335,57
    -28,13 (-0,10%)
     
  • FTSE

    5.860,28
    +74,63 (+1,29%)
     
  • HANG SENG

    24.918,78
    +132,68 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    23.516,59
    +42,29 (+0,18%)
     
  • NASDAQ

    11.669,25
    +19,50 (+0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6630
    +0,0529 (+0,80%)
     

Grandes bancos dos EUA optam por segurança e limitam crédito

Shahien Nasiripour e Christopher Maloney
·3 minutos de leitura

(Bloomberg) -- A cautela dos maiores bancos dos EUA com seu próprio dinheiro é a maior em pelo menos 35 anos.

Dinheiro, títulos do Tesouro e outros instrumentos efetivamente garantidos pelo governo federal já representam mais de 35% dos balanços patrimoniais agregados dos 25 maiores bancos do país, segundo dados compilados pelo banco central (Federal Reserve). É a maior parcela desde o início do acompanhamento, em 1985, e 5,5 pontos percentuais acima da média de cinco anos.

Pela primeira vez, empréstimos e arrendamentos agora representam menos da metade dos registros, devido aparentemente à menor demanda por crédito e ao aperto das condições de empréstimo diante do prolongamento da pandemia do coronavírus.

A postura cautelosa esquenta o debate que questiona se essas gigantescas instituições estão se protegendo prudentemente contra o pior cenário ou se estão exacerbando a crise ao restringir o fluxo de crédito.

“Os bancos foram inundados com depósitos e não têm onde colocar”, disse Brian Foran, analista da Autonomous Research. “Empresas saudáveis não querem pedir empréstimo porque o futuro ainda é incerto. Empresas em dificuldades gostariam de pedir empréstimo para manter a cabeça fora d’água, mas para os bancos, é difícil emprestar para esses setores.”

Na próxima semana, os maiores bancos dos EUA, incluindo JPMorgan Chase, Bank of America e Citigroup, divulgarão os resultados financeiros do terceiro trimestre. As instituições irão detalhar as atividades de empréstimo nos últimos três meses e os investidores terão acesso aos comentários dos executivos sobre como a clientela tem passado durante a crise da Covid-19.

O KBW Bank Index caiu 30% este ano, puxado pelos recuos de 44% das ações do Citigroup e 53% do Wells Fargo. O S&P 500, por sua vez, avançou 6,7% no período.

As esperanças de rápida recuperação do crescimento econômico nos EUA após as paralisações do segundo trimestre deste ano não vingaram. Os economistas não esperam uma virada até o segundo trimestre de 2021, de acordo com estimativas compiladas pela Bloomberg.

A retração nos empréstimos acontece apesar de haver cerca de US$ 525 bilhões em empréstimos perdoáveis a pequenas empresas, sob um programa federal de proteção a salários lançado em resposta à pandemia. Se os bancos tivessem mantido a proporção entre empréstimos, títulos e dinheiro dos últimos cinco anos, a enxurrada de depósitos teria significado US$ 635 bilhões adicionais em empréstimos para consumidores e empresas, com base nesses números.

Uma pesquisa abrangente com executivos de bancos concluiu que as empresas têm menos necessidade de crédito — seja na forma de empréstimos comerciais e industriais ou financiamento de imóveis. Já as famílias têm pedido hipotecas residenciais, segundo esses profissionais, mas há menos demanda por outras formas de financiamento, como cartões de crédito e financiamento de veículos.

Mais de 800.000 americanos iniciaram o processo para receber auxílio-desemprego todas as semanas desde março. É quase quatro vezes mais do que a média semanal nos últimos cinco anos, de acordo com o Departamento de Trabalho.

Quase um quarto das pessoas espera que alguém de casa enfrente redução de ganhos nas próximas quatro semanas e quase um terço admite dificuldades para pagar despesas corriqueiras, de acordo com o último levantamento oficial.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.