Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.264,96
    +859,61 (+0,67%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.315,69
    -3,88 (-0,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,60
    -0,06 (-0,08%)
     
  • OURO

    1.784,80
    +1,90 (+0,11%)
     
  • BTC-USD

    31.475,78
    -3.880,32 (-10,97%)
     
  • CMC Crypto 200

    753,68
    -96,66 (-11,37%)
     
  • S&P500

    4.224,79
    +58,34 (+1,40%)
     
  • DOW JONES

    33.876,97
    +586,89 (+1,76%)
     
  • FTSE

    7.062,29
    +44,82 (+0,64%)
     
  • HANG SENG

    28.489,00
    -312,27 (-1,08%)
     
  • NIKKEI

    28.655,55
    +644,62 (+2,30%)
     
  • NASDAQ

    14.138,00
    +8,00 (+0,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9774
    +0,0021 (+0,04%)
     

Grande safra do Brasil agrava mercado global de café em ano de pandemia, diz StoneX

·2 minuto de leitura

Por Roberto Samora

SÃO PAULO (Reuters) - A safra de café do Brasil em 2020 foi estimada nesta quinta-feira em um recorde de cerca de 65 milhões de sacas de 60 kg, estável ante previsão de fevereiro, apontou a consultoria StoneX, ressaltando que a produção brasileira pressiona o mercado global em ano de incertezas sobre o consumo.

O ambiente de sobreoferta no mercado global de café, estimada em quase 10 milhões de sacas em 2020/21 pelo Departamento de Agricultura dos EUA (USDA), é agravado pela demanda limitada pela pandemia, comentou o analista de café da StoneX, Fernando Maximiliano, durante evento online nesta quinta-feira.

Segundo ele, o comportamento da demanda por café diante da pandemia é a grande dúvida no mercado.

"Já sabemos que ela foi comprometida, o desafio é saber o tamanho do impacto", disse ele, ressaltando que o consumo recuou principalmente fora do lar.

Em meio a uma queda no consumo em cafeterias, restaurantes e hotéis, os estoques de café verde nos Estados Unidos, os maiores consumidores globais, subiram pelo terceiro mês consecutivo em junho e ultrapassaram a marca de 7 milhões de sacas de 60 quilos pela primeira vez desde outubro de 2019, conforme dados da Associação do Café Verde norte-americana (GCA, na sigla em inglês) divulgados na véspera.

Para o analista, ainda existe espaço para queda nos preços internacionais, já que agentes especulativos na bolsa ICE estão com posição vendida que é quase metade da média.

Ele ponderou, contudo, que uma eventual recuperação da demanda poderia ser altista diante de uma safra menor esperada para o ano que vem no Brasil, maior produtor e exportador global da commodity.

Na temporada de 2019, ano negativo no ciclo bianual do café arábica, como será 2021, o Brasil produziu 53 milhões de sacas, segundo a StoneX.

Isso implica dizer que, nos cálculos da StoneX, a safra brasileira terá um crescimento em 2020 --ano de alta do arábica-- de mais de 10 milhões de sacas ante 2019.

Ele destacou ainda que, considerando a projeção de safra do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) para 2020, de 59 milhões de sacas, o mercado poderia ser "interpretado de outra forma".

Entretanto, órgãos do governo brasileiro historicamente estimam uma safra de café abaixo dos números do mercado.

(Por Roberto Samora)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos