Mercado abrirá em 4 h 2 min
  • BOVESPA

    128.427,98
    -339,48 (-0,26%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.170,78
    +40,90 (+0,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,47
    +0,39 (+0,53%)
     
  • OURO

    1.781,70
    -1,70 (-0,10%)
     
  • BTC-USD

    33.277,12
    -681,21 (-2,01%)
     
  • CMC Crypto 200

    805,03
    -5,16 (-0,64%)
     
  • S&P500

    4.241,84
    -4,60 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    33.874,24
    -71,34 (-0,21%)
     
  • FTSE

    7.088,52
    +14,46 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    28.882,46
    +65,39 (+0,23%)
     
  • NIKKEI

    28.875,23
    +0,34 (+0,00%)
     
  • NASDAQ

    14.348,75
    +85,75 (+0,60%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9329
    +0,0044 (+0,07%)
     

Grande estudo confirma eficácia da vacina contra covid-19 da Pfizer

·2 minuto de leitura
Profissional de saúde prepara uma dose da vacina Pfizer-BioNTech contra a covid-19 na capital da Tunísia, Tunis, em 3 de maio de 2021

A vacina Pfizer-BioNTech é mais de 95% eficaz contra a covid-19, mas esse nível de efetividade cai consideravelmente quando apenas uma dose é aplicada, segundo um amplo estudo realizado em Israel, o maior até o momento com dados da vida real.

O estudo foi publicado na revista médica The Lancet. De acordo com seus autores - cientistas da Pfizer e do governo israelense -, ele confirma "os benefícios para a saúde pública de um programa nacional de vacinação".

Eles ressaltam que em Israel, campeão mundial no assunto, a vacinação "tem sido o principal fator para a queda nas infecções por covid-19".

Mas é recomendável cautela ao generalizar essas conclusões para outros países, porque a velocidade dos programas de imunização e a evolução da pandemia variam de um lugar para outro, alertam.

Este estudo é a versão publicada e revisada por outros pesquisadores independentes dos primeiros resultados revelados em março pela Pfizer e pelo Ministério da Saúde de Israel.

Ele é baseado em dados coletados entre 24 de janeiro e 3 de abril, quando 72% dos maiores de 16 anos (quase 5 milhões de pessoas) e 90% dos maiores de 65 anos em Israel já haviam recebido ambas as doses da vacina Pfizer-BioNTech.

A análise aborda sobretudo a eficácia da vacina contra a variante britânica (denominada B.1.1.7), que era predominante no país.

Mostra que a vacina é "altamente eficaz" em maiores de 16 anos, sete dias após a segunda dose: protege 95,3% contra a infecção, 97,2% contra hospitalização e 96,7% contra morte. Os níveis de proteção são similares para idosos acima dos 85 anos.

Porém, caem drasticamente quando as pessoas recebem apenas uma das duas doses: 57,7% contra a infecção, 75,7% contra hospitalização e 77% contra morte, em maiores de 16 anos.

O estudo "mostra a importância de uma vacinação completa em adultos", com duas doses, apontam os autores. Além disso, segundo eles, uma única dose também poderia proteger por menos tempo, principalmente com o surgimento de variantes mais resistentes à vacina.

Durante o período de análise, houve 232.268 casos de covid-19 confirmados em Israel (com 4.481 infecções graves e 1.113 mortes), e quase 95% das amostras analisadas eram da variante britânica, de modo que a eficácia da vacina contra a variante sul-africana não foi estudada.

Em fevereiro, um estudo realizado em Israel e publicado na revista NEJM chegou a conclusões semelhantes.

pg-pr/BC/rh/cbn/erl/gma/ic/am

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos