Mercado abrirá em 3 h 2 min
  • BOVESPA

    111.183,95
    -355,84 (-0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.377,47
    +695,28 (+1,52%)
     
  • PETROLEO CRU

    60,75
    -0,53 (-0,86%)
     
  • OURO

    1.711,60
    -4,20 (-0,24%)
     
  • BTC-USD

    48.935,84
    -1.908,60 (-3,75%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,15
    -5,06 (-0,51%)
     
  • S&P500

    3.819,72
    -50,57 (-1,31%)
     
  • DOW JONES

    31.270,09
    -121,43 (-0,39%)
     
  • FTSE

    6.604,45
    -71,02 (-1,06%)
     
  • HANG SENG

    29.236,79
    -643,63 (-2,15%)
     
  • NIKKEI

    28.930,11
    -628,99 (-2,13%)
     
  • NASDAQ

    12.588,50
    -93,25 (-0,74%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7699
    -0,0088 (-0,13%)
     

"Grande chance de salvar vidas", diz enfermeira Mônica, primeira vacinada contra Covid-19 no Brasil

·2 minuto de leitura
Vacinação em São Paulo

SÃO PAULO (Reuters) - A enfermeira Mônica Calazans, de 54 anos, tornou-se neste domingo a primeira pessoa a ser vacinada contra a Covid-19 no Brasil, minutos após a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizar o uso emergencial das vacinas CoronaVac, do laboratório chinês Sinovac, e Oxford-AstraZeneca.

Mônica, enfermeira do Hospital Emílio Ribas, em São Paulo, levantou os braços para comemorar depois de ter recebido a primeira dose da CoronaVac, vacina que foi testada no Brasil pelo Instituto Butantan. Ela foi voluntária nos testes da vacina e, como recebeu o imunizante agora, fez parte do grupo placebo do estudo.

“É a grande chance que a gente tem de salvar mais vidas”, disse Mônica em pronunciamento após ser vacinada, ao lado do governador de São Paulo, João Doria, e diversas autoridades sanitárias do Estado.

Mônica é negra e enfermeira da linha de frente no combate à pandemia e atua na UTI da unidade. Ela disse ter quase perdido um irmão devido à Covid-19 e incentivou as pessoas a se vacinarem.

“Acreditem na vacina”, disse. “Vamos nos vacinar, não tenham medo.”

Além de Mônica, também foi vacinada neste domingo a indígena Vanuzia Santos, de 50 anos, que é técnica de enfermagem e moradora de uma aldeia multiétnica em Garulhos. Assim como os profissionais de saúde, os indígenas também fazem parte do primeiro grupo de risco a ser imunizado contra a Covid-19.

O governador de São Paulo tem na vacina contra a Covid-19 seu grande trunfo na disputa política com o presidente Jair Bolsonaro. Doria é provável candidato à Presidência em 2022, quando Bolsonaro tentará a reeleição.

"Hoje é o Dia V. V de vida, de vacina", disse Doria a jornalistas instantes antes de Mônica ser vacinada.

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, afirmou em entrevista à imprensa após a aplicação da primeira dose que a vacinação em São Paulo foi "em desacordo com a lei", uma vez que medida provisória do governo federal determinou que cabe ao Ministério da Saúde coordenar nacionalmente a imunização contra o coronavírus.

O governo de São Paulo alega que parte das vacinas do Butantan sempre permanece no Estado para a vacinação da população, e que foi combinado com o Ministério da Saúde que a mesma prática seria realizada com as vacinas contra a Covid-19.

(Por Eduardo Simões, Leonardo Benassatto e Amanda Perobelli)