Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -635,14 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,13 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,78
    +0,49 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.879,50
    -16,90 (-0,89%)
     
  • BTC-USD

    35.300,11
    -465,54 (-1,30%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,36 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,25 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,83 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    13.992,75
    +33,00 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1926
    +0,0391 (+0,64%)
     

GPS da natureza: tubarões usam campos magnéticos para se orientar

·2 minuto de leitura
Tubarão-de-pala nada no Aquário do Pacífico em Long Beach, Califórnia

Esqueça o Google Maps: os tubarões conseguem ler o campo magnético da Terra como um navegador GPS para achar seu caminho, demonstrou um estudo publicado nesta quinta-feira (6) na revista Current Biology.

O autor principal do estudo, Bryan Keller, disse à AFP que o trabalho revindica uma teoria de décadas sobre como os predadores aquáticos conseguem migrar por grandes distâncias, nadar em linha reta e voltar ao ponto de origem de forma precisa.

Também se sabe que os tubarões têm uma capacidade de eletrorrecepção muito refinada que os ajuda a detectar suas presas.

Todos estes fatores levaram os cientistas a acreditar que os tubarões, assim como as tartarugas marinhas e outras espécies, conseguem determinar sua posição e orientação usando o campo magnético gerado nas profundezas do nosso planeta.

Mas até agora não havia forma de demonstrá-lo.

Para sua pesquisa, Keller, chefe de projeto da Fundação Save Our Seas da Flórida, decidiu estudar um pequeno membro da família dos tubarões, chamados tubarões-de-pala (Sphyrna tiburo), nativos do Golfo do México.

Esse tubarão "volta aos mesmos estuários todos os anos", disse Keller, oceanógrafo biológico do Laboratório Costeiro e Marinho da Universidade Estadual da Flórida.

"Isso demonstra que os tubarões sabem onde fica seu 'lar' e podem navegar até lá de um lugar longínquo".

A equipe capturou 20 jovens tubarões-de-pala e os expôs a um dispositivo denominado bobina Merritt, que simulou as condições do campo magnético que correspondiam a diferentes locais da Terra, a centenas de quilômetros de onde foram capturados.

Como previsto, os tubarões se orientaram para o norte quando as condições magnéticas simularam uma posição ao sul de onde foram capturados.

Eles não se orientaram em nenhuma direção quando a bobina lhes disse que já estavam em casa.

Para Keller, esta descoberta poderia explicar façanhas similares em espécies aparentadas com este tubarão e assegurou que em estudos futuros gostariam de explorar os efeitos nos tubarões dos campos magnéticos procedentes de fontes humanas, como os cabos submarinos.

ia/jh/yo/yow/mvv