Mercado abrirá em 9 h 39 min
  • BOVESPA

    120.348,80
    -3.132,20 (-2,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.892,28
    -178,62 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    51,92
    -0,44 (-0,84%)
     
  • OURO

    1.824,10
    -5,80 (-0,32%)
     
  • BTC-USD

    35.968,52
    +265,58 (+0,74%)
     
  • CMC Crypto 200

    700,80
    -34,34 (-4,67%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,24 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.735,71
    -66,25 (-0,97%)
     
  • HANG SENG

    28.614,51
    +40,65 (+0,14%)
     
  • NIKKEI

    28.327,25
    -191,93 (-0,67%)
     
  • NASDAQ

    12.757,75
    -44,50 (-0,35%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3857
    -0,0069 (-0,11%)
     

Governos da UE aprovam acordo comercial do Brexit, diz presidência alemã do bloco

·1 minuto de leitura
Sede da Comissão Europeia, em Bruxelas

BRUXELAS (Reuters) - Os governos da União Europeia aprovaram nesta terça-feira um acordo comercial que regulamenta as relações entre o bloco de 27 países e o Reino Unido, abrindo caminho para sua aplicação provisória a partir de 1º de janeiro, disse o ministro das Relações Exteriores alemão, Heiko Maas.

O acordo, que preserva o acesso de tarifa zero e cota zero do Reino Unido ao mercado único da UE de 450 milhões de consumidores, foi alcançado em 24 de dezembro, quatro anos e meio depois de os britânicos votarem em um referendo -- por uma pequena margem -- por deixar o bloco.

"Estou satisfeito com a aprovação de todos os 27 países da UE. Ao unir forças, conseguimos evitar uma virada de ano caótica", disse Maas, cujo país detém a presidência rotativa da UE, no Twitter.

A aprovação foi uma formalidade após um acordo entre Londres e Bruxelas na semana passada. Ela é necessária para a aplicação provisória do acordo comercial a partir do próximo ano, antes que ele seja ratificado pelo Parlamento Europeu no final de fevereiro.

O acordo comercial provisório será assinado pela presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, e pelo presidente dos líderes da UE, Charles Michel, na quarta-feira.