Mercado abrirá em 5 h 34 min
  • BOVESPA

    111.289,18
    +1.085,18 (+0,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.037,05
    -67,35 (-0,13%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,68
    -0,67 (-0,77%)
     
  • OURO

    1.811,30
    -18,40 (-1,01%)
     
  • BTC-USD

    35.990,97
    -1.713,47 (-4,54%)
     
  • CMC Crypto 200

    818,96
    -36,85 (-4,31%)
     
  • S&P500

    4.349,93
    -6,52 (-0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.168,09
    -129,61 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.469,78
    +98,32 (+1,33%)
     
  • HANG SENG

    23.680,72
    -609,18 (-2,51%)
     
  • NIKKEI

    26.170,30
    -841,03 (-3,11%)
     
  • NASDAQ

    13.958,00
    -200,50 (-1,42%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0937
    -0,0127 (-0,21%)
     

Governo vai decidir vacinação infantil em audiência: "Anvisa não é suficiente"

·1 min de leitura

Nesta etapa da pandemia, a vacinação infantil tem entrado bastante em pauta. No último fim de semana, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, anunciou que a autorização da Anvisa para vacinar crianças de 5 a 11 anos não é suficiente, e uma decisão oficial terá que ser tomada no dia 4 de janeiro, em audiência pública.

A Anvisa chegou a aprovar a administração do imunizante da Pfizer nessa faixa etária, decisão tomada com base em evidências científicas que apontam eficácia na prevenção da forma grave da covid-19.

Mas sob o ponto de vista do Ministério, não é o bastante. “[Só a autorização da Anvisa] não é suficiente. Porque, se você olhar todas as políticas públicas do Ministério da Saúde e verificar todas as autorizações que a Anvisa deu em relação a medicamentos, a dispositivos médicos, basta ver o que tem autorizado pela Anvisa e o que está incorporado no SUS [Sistema Único de Saúde]. São avaliações distintas”, anuncia o ministro, em coletiva de imprensa.

Governo vai decidir vacinação infantil em audiência pública (Imagem: Freepik)
Governo vai decidir vacinação infantil em audiência pública (Imagem: Freepik)

Conforme Queiroga anuncia, a audiência pública e o parecer da Câmara Técnica Assessora de Imunizações (CTAI) devem servir de base para a decisão final. “Eu sou a principal autoridade sanitária do Brasil e não abro mão de exercer as minhas prerrogativas. Porque elas decorrem da decisão do mandatário máximo da nação, que me incumbiu essa missão", finaliza.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos