Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -635,14 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,13 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,78
    +0,49 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.879,50
    -16,90 (-0,89%)
     
  • BTC-USD

    35.799,17
    +187,18 (+0,53%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,36 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,25 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,83 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    13.992,75
    +33,00 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1926
    +0,0391 (+0,64%)
     

Governo vai analisar posição dos EUA sobre quebra de patentes, mas defende terceira via

·3 minuto de leitura
Frascos rotulados como de vacina para Covid-19 em foto de ilustração

Por Lisandra Paraguassu

BRASÍLIA (Reuters) - O governo brasileiro mantém, em princípio, a posição de apoio a uma terceira via em relação à quebra de patentes de vacinas contra a Covid-19, mesmo com a mudança de postura dos Estados Unidos, disse nesta quinta-feira o ministro das Relações Exteriores, Carlos Alberto França, ressaltando que o país ainda vai analisar a nova posição norte-americana de apoio à quebra.

Em apresentação na Comissão de Relações Exteriores do Senado, França afirmou que terá uma videoconferência com a representante comercial dos Estados Unidos (USTR, na sigla em inglês), Katherine Tai, na sexta-feira, quando deve discutir mais detalhes da mudança de posição dos EUA anunciada na véspera.

"Ainda estamos analisando a posição norte-americana. Entendemos que é uma proposta mais focada em uma negociação que levará tempo e não me parece claro ainda se esse processo vai lograr consenso e que países terão capacidade para produzir mais", disse o ministro.

"Nossa impressão é que a maioria dos países continuará dependendo da cooperação das farmacêuticas, e eu penso que o Brasil não pode se afastar de investidores e produtores de vacina e nem afetar negociações que temos aqui como por exemplo com AstraZeneca e outros produtores."

A discussão da quebra de patentes de vacinas contra a Covid-19 vêm ocorrendo desde o ano passado na Organização Mundial do Comércio (OMC) a partir de uma proposta apresentada pela Índia e pela África do Sul, e endossada por grande parte dos países em desenvolvimento, pela quebra ampla de patentes de vacinas e medicamentos contra a Covid-19 até que a maior parte da população global esteja vacinada.

Apesar de ter aplicado a quebra de patentes em medicamentos contra a Aids ainda na década de 1990, o governo brasileiro dessa vez foi contrário e se alinhou aos países ricos, encabeçados pelos Estados Unidos --na época comandados por Donald Trump-- e foram contrários a qualquer tipo de compromisso nessa questão.

De lá para cá, o Brasil se alinhou a uma terceira proposta, desenvolvida por Canadá e Chile, baseado no acordo TRIPS, o tratado internacional de direitos de propriedade intelectual, que prevê exceções limitadas para o direito de patentes. Essa proposta está sendo chamada de terceira via.

O acordo prevê, entre outros pontos, o levantamento dos direitos de patentes em casos excepcionais desde que não prejudique de maneira "não razoável" o detentor da patente e para uso do produto apenas de forma não comercial, com alcance e duração restrita.

No entanto, com a mudança de posição dos EUA, que passou a defender a quebra das patentes dos imunizantes, outros países desenvolvidos também passaram a aceitar essa possibilidade. França e Espanha já se declararam favoráveis, enquanto a União Europeia como um todo informou que aceita discutir.

No entanto, o governo brasileiro ainda mantém sua defesa da terceira via.

França argumentou que os maiores gargalos hoje para a vacinação seriam a capacidade internacional de produção e a falta de suprimentos, e que a quebra de patentes não resolveria isso.

"A quebra de patentes em um primeiro momento só favoreceria os países detentores de tecnologia, que poderiam imediatamente agir no sentido de suspender a patente", disse o chanceler, ressaltando que países mais pobres não teriam condições de produzir, o que não resolveria o problema.

O governo brasileiro vem trabalhando com a OMC para tentar viabilizar essa terceira via e tentar ampliar a quantidade de locais no mundo onde as vacinas pudessem ser produzidas.

Ao mesmo tempo, o Congresso analisa projeto para quebra a patente das vacinas no Brasil, apesar da posição contrária do governo, que teme o impacto disso nas vendas de vacinas já acertadas com grandes farmacêuticas.