Mercado fechado
  • BOVESPA

    114.064,36
    +1.782,08 (+1,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.464,27
    +125,93 (+0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,11
    -0,19 (-0,26%)
     
  • OURO

    1.750,30
    +0,50 (+0,03%)
     
  • BTC-USD

    44.375,73
    +658,59 (+1,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.110,45
    +1,53 (+0,14%)
     
  • S&P500

    4.448,98
    +53,34 (+1,21%)
     
  • DOW JONES

    34.764,82
    +506,50 (+1,48%)
     
  • FTSE

    7.078,35
    -5,02 (-0,07%)
     
  • HANG SENG

    24.477,65
    -33,33 (-0,14%)
     
  • NIKKEI

    30.191,07
    +551,67 (+1,86%)
     
  • NASDAQ

    15.294,00
    -9,50 (-0,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2241
    -0,0009 (-0,01%)
     

Governo vê alta acima de 8% na conta de luz residencial em 2021 e pressão para 2022

·2 minuto de leitura
Visão da hidrelétrica de Furnas, em Minas Gerais

SÃO PAULO (Reuters) - As medidas adotadas pelo governo para lidar com a crise hídrica permitirão que os reajustes na conta de luz sejam reduzidos para pouco mais de 8% em média em 2021 para clientes residenciais, e poderiam superar 20% sem as ações das autoridades, afirmou em nota o Ministério de Minas e Energia.

Uma série de medidas, disse o ministério, resultarão "em alívio" de 18,83 bilhões de reais no valor total que seria acrescido nas contas de luz em 2021.

Desse modo, o reajuste projetado em 2021 é "compatível" com a média mensal do índice inflacionário IPCA e "significativamente" abaixo do IGP-M médio, de 29,04%, afirmou o ministério.

Ao comentar as perspectivas de reajustes nas contas de luz em 2022, o ministério citou entre as principais causas de "pressão" nas tarifas de 2022 o agravamento do cenário hidrológico adverso e o aumento dos custos para geração de energia, além de previsões de que o IGP-M se mantenha em patamares elevados no primeiro semestre de 2022, pressionando os reajustes de contratos antigos do serviço de distribuição.

"O governo federal permanece trabalhando e buscando soluções, com apoio do Congresso Nacional e das instituições que compõem a governança do setor elétrico, para amenizar os reajustes da conta de luz em 2022", disse.

"Nesse sentido, poderemos dispor de medidas que resultem em alívio nas tarifas e evitem reajustes muito elevados", destacou.

Entre as medidas em elaboração, o ministério apontou a devolução aos consumidores de créditos tributários gerados por decisões judiciais que excluem o ICMS da base de cálculo do PIS/Cofins na conta de luz; a redução do serviço da dívida de Itaipu, prevista para se iniciar em 2022; e a antecipação de um valor expressivo dos recursos da desestatização da Eletrobras na forma de um aporte no orçamento da Conta de Desenvolvimento Energético (CDE), com consequente abatimento nas tarifas.

(Por Roberto Samora)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos