Mercado fechará em 3 h 10 min
  • BOVESPA

    111.201,42
    +275,82 (+0,25%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.217,23
    -240,32 (-0,47%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,75
    +0,53 (+0,65%)
     
  • OURO

    1.798,40
    -16,80 (-0,93%)
     
  • BTC-USD

    16.951,76
    -18,45 (-0,11%)
     
  • CMC Crypto 200

    402,39
    +0,97 (+0,24%)
     
  • S&P500

    4.048,46
    -28,11 (-0,69%)
     
  • DOW JONES

    34.248,73
    -146,28 (-0,43%)
     
  • FTSE

    7.565,31
    +6,82 (+0,09%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.911,00
    -151,75 (-1,26%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4754
    +0,0100 (+0,18%)
     

Governo terá superávit e reduzirá dívida, mas não em 24 horas, diz Alckmin

*ARQUIVO* BRASILIA, DF,  BRASIL,  10-11-2022, 12h00: O vice presidente eleito Geraldo Alckmin, acompanhado da deputada Gleisi Hoffmann e por Aloizio Mercadante, fala com a imprensa sobre novas indicações de nomes da transição do governo Lula. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
*ARQUIVO* BRASILIA, DF, BRASIL, 10-11-2022, 12h00: O vice presidente eleito Geraldo Alckmin, acompanhado da deputada Gleisi Hoffmann e por Aloizio Mercadante, fala com a imprensa sobre novas indicações de nomes da transição do governo Lula. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O vice-presidente eleito, Geraldo Alckmin (PSB), disse nesta quinta-feira (17) que o futuro governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) vai trabalhar em um plano para cortar despesas e buscar a retomada do superávit primário para reduzir o endividamento público, mas que isso não se faz em 24 horas.

"Haverá superávit primário, haverá redução da dívida, mas isso não se faz em 24 horas. Isso se faz com o tempo", afirmou a jornalistas durante uma pausa nos trabalhos da transição de governo, no CCBB (Centro Cultural Banco do Brasil).

As declarações são uma tentativa de diminuir o nervosismo no mercado financeiro após o governo eleito entregar ao Congresso a PEC (proposta de emenda à Constituição) da Transição, que retira quase R$ 200 bilhões do teto de gastos para abrir espaço a despesas como o Bolsa Família de R$ 600 e investimentos públicos. O receio de investidores é que a ampliação das despesas gere um descontrole da dívida pública.

"Eu não vejo a razão para esse estresse. O foco tem que ser no crescimento da economia, e para isso o Estado brasileiro precisa funcionar", afirmou.

Alckmin ressaltou que, ao assumir a Presidência em 2003, Lula recebeu um país que registrava superávits primários consecutivos, realidade distinta da observada atualmente. O Brasil acumula rombos nas contas desde 2014 e, embora haja a previsão de resultado positivo em 2022, a perspectiva é de volta do quadro de déficit a partir do ano que vem.

"Quando o presidente Lula assumiu, em 2003, vinha de um governo com superávit todo ano. Ele deu sequência. Agora, vem de déficit. Você não faz mágica", afirmou.

Alckmin disse que a "prioridade absoluta" do novo governo é garantir a continuidade dos pagamentos do Bolsa Família, mas prometeu a apresentação de uma espécie de "plano de voo" com as futuras ações do novo governo.

"Primeiro ponto, o governo vai atuar do lado da despesa, cortando gastos que possam ser cortados", disse. Ele deu como exemplo a possibilidade de fazer um pente-fino em contratos do governo federal. "Se tiver preços corretos, ótimo, mas você pode ter espaço aí", afirmou.

O vice eleito também defendeu a necessidade de fazer uma avaliação permanente de gastos e desonerações tributárias. "Tudo precisa ser permanentemente avaliado, o gasto e a receita. O que não é avaliado não é bem gerido", afirmou.

"A questão do ajuste fiscal é permanente. Não é fiz em 24 horas e acabou. Permanentemente você está ajustando."

Alckmin disse ainda que o governo "vai discutir" uma proposta de reforma no arcabouço de regras fiscais, para substituir o teto de gastos, mas afirmou que "a coisa vem a seu tempo". À jornalista Miriam Leitão, ele detalhou que uma das ideias do governo eleito será a de tirar o teto de gastos da Constituição para refazê-lo em lei ordinária.

O vice eleito também colocou a reforma tributária como uma prioridade do novo governo. "A reforma tributária, ela é essencial", disse Alckmin.

"É uma situação muito boa, você tem duas PECs muito próximas uma da outra, ambas buscam simplificar, substituindo inúmeros tributos por um IVA [Imposto sobre Valor Agregado]."

Segundo ele, a questão é central porque uma simplificação da estrutura tributária pode alavancar o crescimento. Ele evitou cravar se essa será uma prioridade já no primeiro ano de governo, mas disse que a expectativa é "aprovar no menor espaço possível de tempo". "Agora, é preciso respeitar o outro Poder", afirmou.