Mercado abrirá em 46 mins
  • BOVESPA

    108.013,47
    +1.345,81 (+1,26%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.823,23
    -408,97 (-0,77%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,72
    -0,24 (-0,28%)
     
  • OURO

    1.837,50
    -5,70 (-0,31%)
     
  • BTC-USD

    42.194,93
    +268,01 (+0,64%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.002,15
    +7,40 (+0,74%)
     
  • S&P500

    4.532,76
    -44,35 (-0,97%)
     
  • DOW JONES

    35.028,65
    -339,82 (-0,96%)
     
  • FTSE

    7.581,85
    -7,81 (-0,10%)
     
  • HANG SENG

    24.952,35
    +824,50 (+3,42%)
     
  • NIKKEI

    27.772,93
    +305,70 (+1,11%)
     
  • NASDAQ

    15.163,25
    +129,75 (+0,86%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1668
    -0,0006 (-0,01%)
     

Governo tentará impedir que térmicas caras mantenham contratos obtidos em leilão

·1 min de leitura

Por Letícia Fucuchima

SÃO PAULO (Reuters) - O governo tentará impedir que termelétricas caras, movidas a óleo combustível e diesel, mantenham os contratos conquistados no leilão de potência elétrica realizado nesta terça-feira, segundo André Patrus, gerente executivo da secretaria de leilões da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

Em coletiva de imprensa após o leilão, Patrus explicou que esse conjunto de sete usinas só pôde participar do certame por força de liminares judiciais, uma vez que o custo operativo delas excedia os limites fixados pelo governo federal para a licitação.

O Custo Variável Unitário (CVU) máximo para esse certame era de 600 reais por megawatt-hora (MWh), bem abaixo do CVU de algumas usinas termelétricas que hoje operam a mais de 1 mil reais por MWh.

De acordo com o gerente da Aneel, a intenção é cassar essas decisões judiciais. Dependendo do prazo em que isso ocorrer, poderá haver uma nova licitação de potência para suprir a lacuna deixada por essas usinas.

Patrus afirmou ainda que o leilão realizado nesta terça-feira deverá resultar em uma economia de 10 bilhões de reais para os consumidores finais ao longo do período dos contratos negociados.

Os custos associados a esse leilão serão pagos por meio de um novo encargo, criado especificamente para reserva de capacidade.

Porém, dessa vez, o encargo será pago não só por consumidores do mercado cativo, mas também pelo mercado livre e autoprodutores.

"A criação do encargo não é aumento de custo, é uma realocação dos custos de forma mais justa", disse Thiago Barral, presidente da Empresa de Política Energética (EPE), também presente na coletiva.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos