Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.764,26
    +3.046,32 (+2,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.853,37
    +392,82 (+0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    91,88
    -2,46 (-2,61%)
     
  • OURO

    1.818,90
    +11,70 (+0,65%)
     
  • BTC-USD

    24.351,81
    +678,72 (+2,87%)
     
  • CMC Crypto 200

    574,64
    +3,36 (+0,59%)
     
  • S&P500

    4.280,15
    +72,88 (+1,73%)
     
  • DOW JONES

    33.761,05
    +424,38 (+1,27%)
     
  • FTSE

    7.500,89
    +34,98 (+0,47%)
     
  • HANG SENG

    20.175,62
    +93,19 (+0,46%)
     
  • NIKKEI

    28.546,98
    +727,65 (+2,62%)
     
  • NASDAQ

    13.580,00
    +268,75 (+2,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2024
    -0,1213 (-2,28%)
     

Governo tenta mudar decisão sobre preços dos combustíveis na Petrobras

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
*Arquivo* BRASÍLIA, DF, 11.07.2022 - O presidente Jair Bolsonaro tem aumentado pressão sobre a Petrobras. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
*Arquivo* BRASÍLIA, DF, 11.07.2022 - O presidente Jair Bolsonaro tem aumentado pressão sobre a Petrobras. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - O conselho de administração da Petrobras discute nesta quarta-feira (27) proposta para alterar o centro de decisão sobre os preços dos combustíveis vendidos pela estatal, em mais um avanço do governo sobre a gestão da companhia.

A proposta prevê que as decisões sobre reajustes passem a ser dadas pelo conselho de administração —hoje, é feita por um comitê formado pelo presidente da companhia e pelos diretores de Logística e Comercialização e de Finanças.

O governo prepara-se para eleger um novo conselho, com nomes mais alinhados à gestão Bolsonaro, em assembleia no próximo dia 19 de agosto. A lista é formada majoritariamente por ocupantes de cargos públicos e, pela primeira vez desde o governo Dilma Rousseff, tem um integrante do Palácio do Planalto.

A assembleia vai eleger 8 das 11 vagas do colegiado —outras três já são ocupadas por representantes dos acionistas minoritários e dos empregados da companhia. O governo indicou oito nomes e o maior acionista privado da empresa, o Banco Clássico, outros dois.

A lista tem dois nomes já rejeitados por órgãos internos de governança por possibilidade de conflito de interesses: o secretário executivo do Ministério da Casa Civil, Jhonatas Assunção, e o procurador-geral da Fazenda Nacional, Ricardo Soriano.

A tentativa de mudança na governança da política de preços é parte de um esforço para conter os preços dos combustíveis e reverter danos à imagem do governo às vésperas das eleições. Nesse processo, as medidas mais efetivas até agora foram cortes de impostos federais e estaduais.

Em quatro semanas seguidas de queda, desde a aprovação das leis sobre os impostos, o preço do combustível já acumula queda de 20,3% nas bombas. Na semana passada, o litro custava, em média, R$ 5,89 por litro esta semana.

A tendência é que o cenário se mantenha esta semana, com repasses do corte de 4,9% promovido pela Petrobras em suas refinarias na terça-feira (19).

Nesta segunda (25), em almoço com empresárias e executivas em São Paulo, o presidente Jair Bolsonaro (PL) afirmou que poderia fazer novas mudanças na Petrobras, enquanto falava sobre os preços dos combustíveis.

Os últimos movimentos do governo em relação à empresa já geram alertas no mercado financeiro sobre o risco de retrocesso no sistema de governança implantado após a Operação Lava Jato.

"Mais um oportunismo eleitoreiro de Bolsonaro e de sua equipe de bajuladores", disse, em nota o coordenador-geral da FUP (Federação Única dos Petroleiros), Deyvid Bacelar, que é favorável a mudanças no cálculo dos preços.

"A menos de três meses para as eleições, o presidente da República se diz preocupado com as altas abusivas dos preços dos combustíveis praticadas ao longo de seu governo".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos