Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.513,62
    +1.085,64 (+0,85%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.558,32
    +387,54 (+0,77%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,28
    -0,02 (-0,03%)
     
  • OURO

    1.776,40
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    34.685,11
    +1.264,79 (+3,78%)
     
  • CMC Crypto 200

    837,58
    +50,96 (+6,48%)
     
  • S&P500

    4.266,49
    +24,65 (+0,58%)
     
  • DOW JONES

    34.196,82
    +322,58 (+0,95%)
     
  • FTSE

    7.109,97
    +35,91 (+0,51%)
     
  • HANG SENG

    28.882,46
    +65,39 (+0,23%)
     
  • NIKKEI

    28.875,23
    +0,34 (+0,00%)
     
  • NASDAQ

    14.356,25
    +2,00 (+0,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,8626
    -0,0659 (-1,11%)
     

Governo de SP lança projeto de BRT no ABC e promete encurtar viagens

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O governo de São Paulo apresentou nesta sexta-feira (7) o projeto do BRT (sigla em inglês para sistema de transporte com ônibus rápidos) do ABC Paulista, que vai conectar o terminal São Bernardo do Campo, na Grande São Paulo, às estações Sacomã e Tamanduateí do metrô (linha 2-verde), na capital paulista.

O BRT é um sistema de ônibus que circula por corredores expressos e tem estações de embarque e desembarque rápido de passageiros, com cobrança de passagens fora do veículo. O governo João Doria (PSDB) prevê que os ônibus estejam em operação completa até 2023.

O sistema de ônibus expressos para a região foi proposto depois que o governo Doria desistiu, em 2019, do monotrilho que ligaria a região aos trilhos da capital, a linha 18-bronze.

Controverso, o modelo dos monotrilhos passou a ser mais questionado ainda depois da série de problemas da linha 15-prata, que circula na zona leste, e da linha 17-ouro, que deve ser entregue em 2022, com quase 10 anos de atraso.

No caso do monotrilho que iria para o ABC, pesou também na decisão o custo, de mais de R$ 6 bilhões, contra os R$ 859 milhões do BRT prometido agora.

"Aguardávamos recursos [federais] para uma obra de implantação cujos valores estavam subestimados, cujo processo de fabricação de sistema de trens estava falido. E, conforme nós passamos pela linha 17-ouro, [vemos] uma realidade que ninguém do ABC e de qualquer parte do Brasil teria o desejo de passar novamente", diz o secretário de Transportes Metropolitanos, Alexandre Baldy, justificando o abandono do projeto do monotrilho.

O governo Doria afirma que o BRT terá capacidade para transportar 115 mil passageiros por dia. No entanto, no primeiro anúncio do projeto, em 2019, o governo falava em uma capacidade de 150 mil a 340 mil passageiros por dia.

O projeto prevê 82 ônibus elétricos, articulados, com 23 metros cada um. Eles vão circular por 18 quilômetros de via expressa, com 20 paradas e em três terminais.

A empresa Metra vai implantar a linha e explorar a concessão por 25 anos. Segundo o governo, a empresa terá que investir em todo o sistema de transporte da região, além do BRT, e entregará neste mês de maio 60 ônibus para as linhas de ônibus comum.

A empresa é a atual operadora do corredor ABD, importante meio de transporte na região. Em março, decreto publicado pelo governador João Doria estendeu o contrato por 25 anos e deu à companhia a construção e operação do BRT, além das linhas metropolitanas da EMTU da região, sem nova licitação.

Uma ação na Justiça questionou a ampliação do objeto do contrato, mas decisão do juiz Alexandre Marcos Laroca afirmou que não há comprovação de que houve "dano em potencial ao patrimônio público".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos