Mercado fechará em 6 h 44 min
  • BOVESPA

    120.062,82
    +0,83 (+0,00%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.867,62
    +338,65 (+0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,52
    +0,17 (+0,28%)
     
  • OURO

    1.782,70
    -10,40 (-0,58%)
     
  • BTC-USD

    54.948,71
    +123,40 (+0,23%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.279,92
    +16,96 (+1,34%)
     
  • S&P500

    4.173,42
    +38,48 (+0,93%)
     
  • DOW JONES

    34.137,31
    +316,01 (+0,93%)
     
  • FTSE

    6.914,69
    +19,40 (+0,28%)
     
  • HANG SENG

    28.755,34
    +133,42 (+0,47%)
     
  • NIKKEI

    29.188,17
    +679,62 (+2,38%)
     
  • NASDAQ

    13.903,00
    -16,25 (-0,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6166
    -0,0854 (-1,27%)
     

Governo simplifica regras do Proex de olho em OCDE

José de Castro
·1 minuto de leitura
Navio carregado com soja no porto de Santos (SP)

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) - A Câmara de Comércio Exterior (Camex), do Ministério da Economia, informou nesta quinta-feira alteração de diretrizes e condições para concessão de financiamento de exportação de bens ou serviços no Programa de Financiamento às Exportações (Proex), mudanças que, segundo a pasta, facilitam a adesão do Brasil à OCDE.

A ideia é simplificar e modernizar as normas do programa, aproximando a prática brasileira da internacional, segundo nota publicada no site do Ministério da Economia.

A Camex revogou parte dos regulamentos anteriores sobre os critérios para financiamento e definiu regras de elegibilidade, prazos e ações de monitoramento aplicáveis às operações de equalização de taxas de juros e de financiamentos das exportações pelo Proex.

O novo texto entram em vigor em 1º de abril.

O Ministério da Economia destacou na nota divulgada que a reforma do Proex aproxima as normas do programa brasileiro das previstas no Arranjo sobre Créditos à Exportação da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), "de maneira a facilitar a adesão do Brasil à Organização".

"(A reforma) ainda reforça as balizas técnicas do Proex, resolvendo problemas de insegurança jurídica no seu funcionamento efetivo", disse o ministério.